Artista plástico alemão quer exibir um moribundo num museu

Gregor Schneider, um dos artistas plásticos alemães mais em voga no momento, causou polêmica nesta segunda-feira em se país ao querer expor um moribundo em um museu, quebrando assim um dos últimos tabus sociais.

AFP |

"A morte e o caminho para a morte são infelizmente, hoje em dia, um sofrimento", afirma o artista de 39 anos em uma entrevista ao jornal Die Welt em sua edição on-line.

Schneider, que pulou para a fama em 2001 quando obteve o Leão de Ouro da Bienal de Arte de Veneza, defende sua idéia de expor uma pessoa a ponto de morrer de forma natural ou então uma pessoa que acabe de falecer.

O artista explicou que está em busca de uma pessoa que dê seu consentimento para ser expostas nestas condições.

Sua intenção é expor o moribundo no museu Haus Lange de Krefeld (oeste).

"A morte é, efetivamente, um tabu em nossa sociedade", enfatizou Hans-Heinrich Grosse-Brockhoff, secretário de Estado da Cultura da região da Renânia do Norte-Westfália, onde se encontra o museu. "Mas isso é motivo para se expor uma morte de verdade?", questionou a autoridade.

yap/jlv/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG