Arquivo da Aeronáutica tem cartas de Lamarca

Os arquivos do Centro de Informação e Segurança da Aeronáutica (CISA) contêm três cartas inéditas escritas em 26 de novembro de 1970 por Carlos Lamarca e apreendidas num aparelho da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), no Rio de Janeiro.

Agência Estado |

Nos textos, destinadas a companheiros de guerrilha, Lamarca mostra preocupação com o que chama de "parada" de outros grupos de combate à Ditadura Militar.

As cartas estão entre os documentos entregues pela Aeronáutica ao Arquivo Nacional. A força aérea havia informado antes que esses papéis haviam sido destruídos.

Ex-capitão do Exército, Lamarca tinha trocado a vida do quartel para integrar grupos de combate ao governo militar que comandava o Brasil. Acabou sendo morto pelas tropas do Exército em 17 de setembro de 1971, na cidade de Brotas de Macaúbas, no interior da Bahia.

Na época em que escreveu os textos, Lamarca tinha se tornado o principal líder dos grupos armados, principalmente depois da morte de Carlos Marighella. Porém, ele reclamava da resistência de outras siglas, que desejavam mais tempo para organização política e montagem de sua infraestrutura. Nas cartas, Lamarca faz críticas pesadas a esse tipo de comportamento da esquerda e informa, por código, que nos próximos dias seria feito um novo sequestro de diplomata.

De fato, isso aconteceu 15 dias depois, com a ação tendo como alvo o embaixador da Suíça Enrico Buscher. Depois de muita discussão, o governo aceitou libertar 70 prisioneiros em troca do embaixador, mas vetou vários nomes pedidos pelos guerrilheiros. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: Aeronáutica  - Lamarca

    Leia tudo sobre: aeronáutica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG