Argentinos levarão ao Uruguai provas sobre nacionalidade de Carlos Gardel

Buenos Aires, 19 jul (EFE).- Argentinos que estudam a vida do célebre cantor de tango Carlos Gardel viajarão na próxima semana ao Uruguai para apresentar ao Parlamento desse país documentos sobre a nacionalidade do artista, que ainda é alvo de disputa.

EFE |

Entre outras "provas", o Centro de Estudos Gardelianos (CEG) de Buenos Aires levará na quarta-feira a Montevidéu certificados que mostram que Gardel cursou o primário na capital argentina.

Com estes documentos, os "gardelianos" argentinos pretendem refutar a teoria da pesquisadora argentina Martina Iñiguez, que no mês passado apresentou fotos de Gardel ainda menino em uma escola de Montevidéu como "novas provas conclusivas" de que o cantor nasceu na localidade uruguaia de Tacuarembó.

"O Uruguai tem um apego extraordinário à história e ao acervo de Gardel, mas esse respeito não deveria permitir que o próprio Estado uruguaio questionasse sua filiação", disse hoje Norberto Ignacio Regueira, diretor do CEG, em declarações à agência de notícias oficial "Telam".

Para pôr fim à essa disputa, uma deputada uruguaia propôs a realização de estudos genéticos para determinar a verdadeira origem de Gardel.

O assunto será analisado pela Comissão de Cultura do Parlamento uruguaio.

Há décadas existe uma polêmica entre os que afirmam que o "Zorzal criollo", que morreu há 73 anos em um acidente aéreo na Colômbia, era oriundo de Tacuarembó e os que defendem que ele nasceu na cidade francesa de Toulouse e logo depois obteve a cidadania argentina. EFE nk/bm/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG