Aprovação de Lula cai com a crise econômica, mostra Datafolha

SÃO PAULO (Reuters) - A aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva caiu 5 pontos percentuais desde novembro do ano passado para 65 por cento, a primeira queda desde o início do segundo mandato, mostrou pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira. Os números, publicados no jornal Folha de S. Paulo, mostram que a primeira queda na aprovação de Lula desde o início de seu segundo mandato, em 2007, coincide com o agravamento dos efeitos da crise econômica global no Brasil.

Reuters |

O desempenho de Lula vinha percorrendo uma trajetória ascendente até a última pesquisa, em novembro do ano passado, que apontou um índice de 70 por cento de aprovação, inédito entre os presidentes brasileiros pós-redemocratização.

Segundo o Datafolha, a nota média atribuída ao governo Lula (de 0 a 10) também caiu de 7,6 pontos em novembro para 7,4 pontos na pesquisa concluída na quinta-feira pelo Datafolha.

Lula permanece mais popular na região Nordeste do país, com 77 por cento de aprovação. Nas Regiões Norte e Centro-Oeste, em conjunto, o índice ficou em 64 por cento, contra 60 por cento no Sudeste e 57 por cento no Sul.

Entre eleitores com escolaridade fundamental, 68 por cento consideraram o governo Lula ótimo ou bom, contra 72 por cento na pesquisa anterior. Entre aqueles com escolaridade superior, o índice permaneceu estável em 64 por cento.

Segundo o Datafolha, a fatia da população brasileira que tomou conhecimento da crise aumentou de 72 por cento para 81 por cento. E o percentual dos que acreditam que o Brasil será muito prejudicado pela crise financeira subiu de 20 por cento para 31 por cento.

Outros 43 por cento aprovam a condução de Lula diante da crise, contra 49 por cento no levantamento anterior.

A pesquisa apontou ainda que subiu de 44 para 59 por cento o índice daqueles que acreditam que o nível do desemprego vai crescer no país.

O percentual de brasileiros que não deixou de comprar algum produto ou bem por causa da crise financeira caiu de 71 por cento no levantamento anterior para 65 por cento, segundo o levantamento.

CORRIDA PRESIDENCIAL

O Datafolha também consultou os eleitores sobre a intenção de voto para a sucessão presidencial, em 2010. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), manteve-se estável com 41 por cento na liderança, enquanto Ciro Gomes (PSB) obteve 16 por cento, um ponto a mais em relação ao levantamento de novembro.

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), subiu de 8 para 11 pontos e agora está empatada com Heloísa Helena

(PSOL).

No cenário em que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), concorre ao Planalto no lugar de Serra, a liderança na corrida presidencial passa para Ciro Gomes (25 por cento). Heloísa Helena e Aécio vêm em seguida, com 17 por cento cada um. Dilma fica com 12 por cento.

Em outro cenário, com Aécio concorrendo juntamente com Serra, o governador paulista mantém a liderança, com 35 por cento. Heloísa Helena aparece com 14 por cento, contra 12 por cento do governador de Minas Gerais e 11 por cento de Dilma.

A pesquisa Datafolha foi realizada entre 16 e 19 de março e ouviu 11.204 eleitores em 371 municípios em 25 Estados. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

(Texto de Fabio Murakawa)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG