Entre junho e setembro, órgãos federais apreenderam 682% mais cocaína do que de janeiro a maio, segundo Operação Sentinela

Números da Operação Sentinela obtidos com exclusividade pelo iG mostram que o governo apreendeu 755% mais maconha e 682% mais cocaína nas fronteiras brasileiras entre junho e setembro deste ano do que nos cinco primeiros meses do ano, quando o Plano Estratégico de Fronteiras ainda não havia sido lançado.

Leia: PF prende suspeitos em operação contra o tráfico em 5 Estados

De acordo com o Ministério da Justiça, desde junho, foram apreendidos 57 mil kg de maconha e 61,4 mil kg de cocaína nas fronteiras. Entre janeiro e maio haviam sido apreendidos 6,6 mil kg de maconha e 7,8 mil kg de cocaína.

Segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a eficácia da operação deve levar à queda dos números em um segundo momento. “O objetivo é que em breve as apreensões deixem de o melhor indicador para mensurar a eficácia da operação”, disse o ministro.

Cardozo: PF ficou com a parte de investigação e inteligência e o Exército entra com a logística
Agência Câmara
Cardozo: PF ficou com a parte de investigação e inteligência e o Exército entra com a logística

A Operação Sentinela é uma parceria entre a Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Forças Armadas iniciada em maio de 2010, ainda no governo Luiz Inácio Lula da Silva , sem prazo para terminar. Segundo o ministro, o Plano Estratégico de Fronteiras fez aperfeiçoamentos que aumentaram a eficácia da ação. Enquanto a PF passou a orientar a Operação Sentinela, as Forças Armadas tomaram a frente da Operação Ágata, que recentemente deslocou milhares de soldados nas regiões de fronteira seca.

“A PRF foi incluída na operação e ficou responsável pela parte ostensiva ao lado das Forças Armadas. A PF ficou com a parte de investigação e inteligência e o Exército entra com a logística", disse o ministro.

De acordo com o ministro, o número de pessoas abordadas nos primeiros quatro meses da sentinela subiu de 390 mil para 1,5 milhão. As prisões em flagrante chegaram a 2,7 mil, cinco vezes mais do que nos primeiros cinco meses do ano.

Com a participação da PRF, foi possível vistorias 815 mil veículos entre junho e setembro. No mesmo período do ano passado foram vistoriados apenas 170 mil automóveis.

A quantidade de armas confiscadas nas fronteiras passou de 46 entre janeiro e maio para 300. As apreensões de munição subiram de 18,8 mil para 63,5 mil.

Além disso, a operação ajudou a conter o contrabando. Foram apreendidos 2,2 milhões de pacotes contra 493 mil nos primeiros conco meses. Além de 165 mil unidades de fármacos, contra 1,3 mil entre janeiro e maio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.