Papai não vai sossegar enquanto não achar o assassino - Brasil - iG" /

Papai não vai sossegar enquanto não achar o assassino

Encontrar o assassino que matou Isabella. Esta foi a promessa que o pai de Isabella, Alexandre Nardoni, fez diante do caixão da filha, morta após ser esganada e jogada da janela do sexto andar do prédio onde Alexandre mora com a esposa Ana Carolina Jatobá e dois filhos, no dia 29 de março.

Agência Estado |

"No dia do velório da minha filha, fiz uma promessa, no caixãozinho dela, que eu não ficaria sossegado até encontrar o assassino que fez isso com ela... Eu disse, 'filha, vou prometer uma coisa pra você, papai não vai sossegar enquanto não achar o assassino'", afirmou Alexandre, em entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo. "Eu queria ir junto com ela, queria me jogar, ir junto com ela, minha vida estava indo tudo alí", disse o pai, ao acompanhar o enterro da filha.

Alexandre e Ana Carolina, que também participou da entrevista, foram indiciados pela Polícia Civil pela morte de Isabella e, a todo momento, negaram a autoria do crime. Ressaltaram, desde o início da entrevista, que são muito apegados à família e que tinham um relacionamento harmonioso com a menina, que também tinha ótimo relacionamento com os irmãos. "Eu estava sempre cantando, a Isa gostava que eu brincasse... Ela me chamava de tia Carol", disse Ana, chorando.

Ambos comentaram que Isabella teria demonstrado interesse, inclusive, de morar com a família e que, por pelo menos uma duas vezes, chegou a chamar Ana Carolina de mãe. "Ela era minha filha postiça, umas duas vezes ela me chamou de mamãe", disse Ana Carolina ao repórter Valmir Salaro, que entrevistou o casal.

Ao serem questionados pelo repórter sobre o indiciamento, explicitando que Ana é acusada de sufocar Isabella e que o pai, de jogá-la pela janela, eles refutaram a acusação, reforçando os laços afetivos com a menina. Ambos também negaram que Isabella estaria sangrando já dentro do carro, como aponta o laudo da polícia, que encontrou sangue de Isabella no veículo da família e vestígios de sangue em uma fralda. "Eu fui a última pessoa a sair do carro, ninguém se machucou no carro, no caminho não aconteceu nada", afirmou Ana Carolina, que disse que a última conversa que teve com Isabella foi quando ela perguntou se podia dormir. "Foi a última vez que falei com ela."

Alexandre se emocionou ao lembrar do seu relacionamento com a filha, contando que ela gostava de nadar na piscina, no mar e de andar em uma moto de brinquedo e disse que também fará em seu corpo uma tatuagem do rosto da filha. "Não consigo imaginar minha vida sem ela, porque minha vida acabou sem minha princesinha, não sei como será minha vida... meus filhos que me seguram, porque são tudo na minha vida. A Isabella, minha princesinha... , 'o pai, vamos brincar de boneca comigo, vamos andar de moto.... Não acredito que fizeram isso com ela. Eu prometi e vou cumprir: não vou ficar sossegado enquanto não achar a pessoa que fez isso com ela."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG