Coyote mostra, no Festival de Berlim, dura vida dos imigrantes ilegais - Brasil - iG" /

Coyote mostra, no Festival de Berlim, dura vida dos imigrantes ilegais

O diretor espanhol Chema Rodríguez apresentou, neste domingo, no 59º Festival de Cinema de Berlim, seu documentário Coyote, uma crônica sobre os riscos que correm os centro-americanos que tentam emigrar ilegalmente para os Estados Unidos, passando pelo México.

AFP |

No filme, "Coyote" é um guatemalteco chamado Maco, que confessa ser alcoólatra e se vê como um diretor de teatro, e os emigrantes, como atores.

"Conhecemos Maco em um bar da capital da Guatemala. Ele nos apresentou umas 25 pessoas que desejavam emigrar para os Estados Unidos e que esperavam uma oportunidade. Nós escolhemos três dos candidatos para emigrar, que reagiram melhor diante das câmeras e, a partir disso, organizou-se a viagem", contou Chema Rodríguez, após a exibição do filme na seção "Panorama" da Berlinale.

"Um coiote cobra cerca de 4.000 euros por essas viagens. Nós pedimos permissão às autoridades para fazer um documentário sobre o turismo nas estradas centro-americanas. Foi assim que nós os acompanhamos. Filmamos com duas câmeras: uma, dentro do ônibus, com os emigrantes, e a segunda, em um carro", contou Rodríguez, autor de mais de 40 documentários.

"Em um dado momento, tivemos de deixar os que iam de ônibus, e nossa equipe de filmagem avançou com uma das emigrantes, que subiu em um trem em Tapachula, na fronteira entre Guatemala e México. Avançamos pagando 'mordidas' (subornos) aos policiais. Cobram entre 60 e 100 dólares, segundo os pontos de controle", revelou o cineasta.

"Os policiais e guardas fronteiriços mexicanos têm uma cota a cumprir de emigrantes centro-americanos para prender e para expulsar para seus países, mas depois dessa cota eles fecham os olhos e cobram as 'mordidas'. Todo o mundo sabe disso. O resto é uma grande armação", acrescentou.

"Entre os mexicanos e os emigrantes guatemaltecos, é a guerra, às vezes, mas também tem gente solidária, que compreende sua situação, que ajuda, até mesmo os policiais. Como diz Maco no filme, também há os crocodilos, os mexicanos que assaltam e tiram tudo dos emigrantes. São pobres, roubando outros pobres", afirmou.

Dos três emigrantes filmados em "Coyote", apenas um, por ser menor de idade, atingiu seu propósito e, hoje, vive em Nova York. Os outros dois foram detidos pelas autoridades americanas e deportados para a Guatemala.

Chema Rodríguez já esteve no Festival de Berlim de 2006, com seu documentário "Estrellas de la línea", sobre prostitutas guatemaltecas que, para chamar a atenção para suas precárias condições de vida e para a perseguição policial que sofriam, montaram um time de futebol.

jo/tt

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG