Até quando iremos viver assim? , questiona marido de mulher baleada em favela do Rio - Brasil - iG" /

Até quando iremos viver assim? , questiona marido de mulher baleada em favela do Rio

RIO DE JANEIRO ¿ O corpo de Ana Cristina Costa do Nascimento, de 24 anos, foi sepultado na tarde desta segunda-feira na zona norte do Rio de Janeiro. Ana Cristina foi atingida por um disparo nas costas quando caminhava com a filha de 11 meses no colo nas proximidades de uma favela na Penha, na noite de domingo. ¿Hoje foi minha esposa, amanhã será outra. Até quando iremos viver assim?, questionou, revoltado, o viúvo Anilton Cesar Marcos de Oliveira.

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |


Cerca de 200 pessoas compareceram ao sepultamento no cemitério de Irajá. Contrariando a versão divulgada pela polícia, amigos e parentes da vítima afirmaram que o tiro que acertou Ana Cristina foi disparado por policiais militares.

A vítima, o marido, as duas filhas, sendo uma de três anos e a outra de 11 meses, e mais quatro pessoas estariam voltando de uma festa da família, na favela Kelson´s, na Penha, por volta das 22h40, quando PMs, segundo familiares, teriam começado a atirar.

Agência Estado
Maria Conceição do Nascimento chora sobre o corpo da filha, Ana Cristina Costa do Nascimento, de 24 anos, durante enterro no Cemitério de Irajá, na zona norte do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira.

Maria Conceição do Nascimento chora sobre o corpo de Ana Cristina

Ana Cristina foi atingida por um tiro e colocada em um carro para ser levada ao Hospital Estadual Getúlio Vargas. Alguns amigos que estavam com a vítima voltaram com a filha dela de 11 meses para casa e, só depois, teriam percebido que a criança também tinha sido atingida. 

A PM alega que soldados do 16º BPM (Olaria) que faziam uma ronda no local foram alvo de disparos de supostos traficantes, que teriam acertado mãe e filha na rua. De acordo com a PM, os policiais militares não revidaram aos disparos porque havia muitos pedestres no local.

Na tarde desta segunda-feira, a Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro informou que a menina de 11 meses foi submetida a uma cirurgia no Hospital Estadual Getúlio Vargas e que seu estado é grave, mas estável.

A mãe de Ana Cristina, Maria da Conceição Costa do Nascimento chegou a desmaiar durante o enterro. "Acabaram com vida da minha filha. Será que essas pessoas não têm filhos? Hoje, tiraram um pedaço do meu coração", disse aos prantos.

O viúvo Anilton Cesar fez uma crítica ao governo. Tudo isso é culpa desses governantes. Eles vivem bem, comem bem, viajam, e nós que moramos dentro da comunidade, vivemos assim, nessa guerra.

O caso está sendo avaliado pela 22ª DP (Penha).


Leia mais sobre:


Leia mais sobre:
violência no Rio 

    Leia tudo sobre: rio de janeirotráfico de drogasviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG