A Bela Junie traz a nova geração do cinema francês - Brasil - iG" /

A Bela Junie traz a nova geração do cinema francês

Anne Seydoux, atriz do novo filme de Christophe Honoré é a Junie, de A Bela Junie . Anne é a protagonista do novo filme do mais talentoso e intrigante autor da nova geração do cinema francês.

Agência Estado |

O ano que se encerrou ontem foi bom para o cinema francês e para o cinéfilo brasileiro. Este ano inicia em alto estilo com A Bela Junie . Anne Seydoux tem algo de uma jovem Anna Karina, que foi uma das musas de Jean-Luc Godard (e da nouvelle vague ). A semelhança pode não ser mera coincidência - Christophe Honoré é um trânsfuga da nouvelle vague que irrompeu no cinema francês 40 anos mais tarde.

Há uma tristeza que intriga no cinema deste autor. Em filmes como Em Paris e Canções de Amor , Honoré retomou aquele que François Truffaut, o romântico que desconfiava do romantismo, considerava o maior de todos os temas, senão o único - o amor. Os dois irmãos de Em Paris são diferentes em tudo. Há um trio em Canções de Amor . Tudo gira em torno do amor e a tristeza pode estar um pouco ligada ao tema da morte, sempre presente no cinema do autor. Ou então a essa certeza de que o amor talvez seja, ou é, efêmero. Em Beijos Roubados , Truffaut fez com que Jean-Pierre Léaud conquistasse uma mulher dizendo que todos os outros homens e amores, tudo o mais, era provisório. Ele, e só ele, era definitivo. O homem e a mulher em Honoré sonham com esse absoluto do amor.

O gay que ganhava o hétero em Canções de Amor reaparece - não interpretado pelo mesmo ator, mas ele, por sinal, faz desta vez o mais radical dos novos obsessivos amorosos do autor. Viver e morrer de amor. Honoré dialoga com seus ídolos da nouvelle vague que tanto ama - Godard, Truffaut, Eric Rohmer. Há uma maneira de filmar Paris, o amor, de fazer citações que remetem a esses autores. Mas Honoré sabe que o mundo e o cinema mudaram e talvez a grande tristeza de seu cinema venha de uma constatação - ele tenta, ele homenageia, mas sabe que não é mais possível filmar como em 1960. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: cinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG