Após tumulto, reitoria da USP é ocupada

SÃO PAULO - Um tumulto provocou a ocupação da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) por volta das 16h desta segunda-feira. De acordo com Magnu de Carvalho, diretor de base do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), o tumulto começou quando representantes do sindicato iriam entrar em uma reunião para discutir uma pauta conjunta com a reitoria. Então, os estudantes tentaram entrar no local e foram barrados pelos seguranças. A ocupação acabou por volta das 19h30.

Redação |

Segundo Magnu, em reunião no início desta noite, o Fórum das Seis - que reúne entidades de professores e servidores das universidades públicas paulistas - decidiu que a posição a ser levada pelos seus representantes nas assembleias seguintes é a de "indicativo de greve para todas as categorias."

Quanto ao tumulto desta tarde, o diretor do Sintusp disse que a entrada dos funcionários deveria ser feita pela porta que fica atrás da reitoria, enquanto que os estudantes estavam na porta da frente. Segundo ele, alguns estudantes foram agredidos por seguranças e o tumulto começou. Pessoas que estavam presentes no local afirmam que os guardas que barravam a entrada não estavam identificados com farda, usando apenas um jaleco azul claro.

Com o tumulto, a porta da frente da reitoria foi forçada e cerca de 100 pessoas entraram no local. O diretor do Sintusp afirma que essa ocupação não teve o respaldo dos funcionários, pois não "foi decidida em assembleia".

Várias portas de vidro foram quebradas e diversos cacos ficaram espalhados pelo chão. Entre as pessoas que não puderam entrar na reitoria para a reunião, está um dos diretores do Sintusp, que foi demitido por atividades sindicais. Entre as reivindicações do sindicato está a readmissão deste funcionário.

Greve

Os funcionários da USP estão em greve desde o dia 5 de maio. Na semana passada, uma rodada de negociações entre o Fórum das Seis e o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp), chegou a uma proposta de reajuste de 6,05%, que foi rejeitada pelo Fórum. Os professores pedem um reajuste salarial de 10% e, nesta segunda, paralisaram suas atividades e promoveram um ato em frente à reitoria em defesa de melhores salários.

Os trabalhadores também pedem a incorporação de R$ 200 ao salário e 17% de reposição parcial das perdas desde 1989, mais a retirada de processos contra outros militantes e da multa de R$ 346 mil pela ocupação da reitoria em 2007.

Nota do Conselho

Em nota, o Cruesp diz que o Fórum das Seis se recusou a participar da reunião em que seriam tratados temas relacionados à pauta unificada dos professores e demais funcionários da USP, UNESP e Unicamp. A entidade lamentou a invasão ocorrida no prédio da Reitoria da USP e afirmou que uma porta foi quebrada e equipamentos teriam sido levados.

"Os representantes das entidades sindicais das Universidades priorizaram a violência no lugar do diálogo, desconsiderando princípios básicos da democracia e desvirtuando a principal finalidade para qual foi agendada a reunião", diz o documento.


Leia mais sobre: USP

    Leia tudo sobre: ocupaçãousp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG