Após queda de 20% nas vendas, bares tentam reverter ¿lei seca¿ em 3 capitais

SÃO PAULO - Sindicatos dos Hotéis, Bares e Restaurantes da São Paulo, Belo Horizonte (MG) e Florianópolis (SC) estão trabalhando para entrar com ação jurídica e administrativa na Justiça que flexibilize a quantidade máxima de álcool no sangue dos motoristas. A nova lei aprovada não permite mais que 2 decigramas de álcool por litro de sangue - o equivalente a um chope ou dois bombons de licor.

Redação |


A justificativa que será apresentada à Justiça é de que o Brasil deve alinhar-se ao padrão da maioria dos paises do mundo, que têm média de 6 decigramas de álcool por litro de sangue. Os EUA são mais flexíveis, e aceitam 8 decigramas. Em São Paulo, a lei seca já reduziu o consumo de álcool em 20% nos bares e restaurantes, segundo estimativa do sindicato.

De acordo com a antiga lei, o Brasil seguia o padrão mundial, argumentam os donos de bares. O motorista poderia apresentar 0,6% de álcool por litro de sangue. "A diferença", segundo o Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de São Paulo, é que não havia fiscalização. Nossa proposta é que se mantenha a fiscalização, mas que a tolerância seja a mesma do resto do mundo.

Segundo o sindicato, na prática, qualquer quantidade de álcool tornou-se criminosa para o motorista. O Sindicato de São Paulo está reunido neste momento para estudar o caso e formular pedido jurídico mais cabível.





Leia ainda:


Leia mais sobre: "lei seca"

    Leia tudo sobre: bebida alcoolicalei secalei-secaqueda do consumo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG