Após protesto, Santa Ifigênia não será desapropriada

A maior parte dos imóveis da Santa Ifigênia, na região central de São Paulo, não poderá ser desapropriada durante o processo de concessão da Nova Luz. Segundo as diretrizes do relatório elaborado pelo líder de governo e relator do projeto na Câmara Municipal, vereador José Police Neto (PSDB), “um dos objetivos é potencializar a vocação comercial da região”.

Agência Estado |

As novas diretrizes do projeto, considerado prioridade do prefeito Gilberto Kassab (DEM), ocorreu uma semana após lojistas protestarem na sede do Legislativo.

Police Neto também indica que quadras com imóveis tombados não poderão ser desapropriadas - os 8 quarteirões da Santa Ifigênia têm estabelecimentos protegidos pelo patrimônio histórico. Segundo ele, “os indicativos do relatório dão força para a permanência dos lojistas na região”, maior reduto de venda de produtos eletrônicos no País.

Mais flexível, o Nova Luz, que também leva embutido o texto que prevê as concessões urbanísticas de bairros inteiros, deverá ser votado em primeira discussão hoje. Para isso, o novo relatório do líder de governo terá de ser aprovado antes, às 14 horas, na Comissão de Política Urbana - a aprovação nos dois casos era dada como certa por lideranças governistas ontem. O relatório também recomenda que os mesmos incentivos fiscais concedidos aos futuros proprietários de imóveis da Nova Luz sejam estendidos a lojistas da Santa Ifigênia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG