Após Lula, vida de cinco ex-presidentes vai virar filme

SÃO PAULO ¿ Eles não viajaram por 13 dias em um pau-de-arara de Pernambuco a São Paulo, não engraxaram sapatos nas ruas e não tiveram o dedo mutilado em um torno mecânico. Ainda assim, esses outros presidentes fizeram a seus modos e estilos partes da História que dariam filmes.

Agência Estado |

Agência Senado

Fernando Collor: rumo às telas

Jânio Quadros e sua vassoura; Tancredo Neves e a turbulenta abertura política; Sarney e seus fiscais da economia; Fernando Collor e sua "demissão" do Palácio do Planalto; Getúlio Vargas e o disparo no próprio coração. Na esteira de "Lula - O Filho do Brasil", que estreou no primeiro dia do ano, a classe política, que sempre manteve distância das salas de cinema, vai aparecer na tela grande.

O cineasta Silvio Tendler, que já ganhou prêmios com longas sobre João Goulart ("Jango", de 1984) e Juscelino Kubitschek ("Os Anos JK - Uma Trajetória Política", de 1980), abre as portas do cine-Planalto. Há 20 anos debruçado sobre fitas K7 e arquivos de Tancredo Neves, ele anuncia que fará enfim a estreia do longa "A Travessia de Tancredo" em abril.

O segundo projeto de Tendler será sobre José Sarney, o vice do político mineiro, que acabou assumindo a presidência do País em 1985. Foi durante uma entrevista com o presidente do Senado que veio a inspiração ao cineasta, mesmo sob ventos e tempestades que assolavam a carreira do político. "A história de vida dele pode ser tão dura quanto a do Lula", acredita Tendler.

Depois de Lula, a família Barreto tem outro alvo na extremidade oposta do ringue eleitoral que se ergueu em 1989. Fernando Collor de Mello vai ter sua vida em filme rodada por Bruno Barreto, irmão de Fábio (diretor de "Lula") e filho de Luiz Carlos. O projeto terá como base o livro "Notícias do Planalto", de 1999, do jornalista Mário Sérgio Conti.

Já Fernando Henrique ganha um mimo mais fofo. Ao lado de Miguel Darcy e da cientista política Ilona Szabo, o ex-presidente terá em 2011 o documentário de nome forte "Rompendo o Silêncio", que propõe uma discussão sobre a regulamentação das drogas no País.

Jânio Quadros, mesmo sério, fazia humor. Muitos riam só de ouvi-lo falar. E, assim, peripécias como a proibição do uso de biquínis nas praias por mulheres até sua atrapalhada renúncia estarão no longa do ator e diretor Paulo Figueiredo. Ao lado de Nelson Valente, ele prepara uma minissérie de 12 capítulos para TV e um filme orçado em R$ 13 milhões.

E a lista se fecha com um projeto ambicioso do roteirista Lauro César Muniz, que quer narrar nos cinemas os 19 dias que antecederam o 24 de agosto de 1954, quando o presidente Getúlio Vargas deu cabo da própria vida para entrar para a História. A direção será de Daniel Filho.

Leia mais sobre: cinema brasileiro

    Leia tudo sobre: cinema brasileirolulao filho do brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG