Após escoamento, rua inundada em SP tem lixo e lama

Após duas semanas de inundações na zona leste de São Paulo, as equipes do governo do Estado e da Prefeitura concluíram no fim da tarde de ontem o escoamento da água que estava represada na Rua Capachós, no Jardim Romano. A via foi uma das mais atingidas pelas enchentes do início do mês e permaneceu encoberta, com água atingindo o nível das janelas de automóveis.

Agência Estado |

No lugar da água, resta muita lama e todo o tipo de lixo - o dia foi de limpeza e de contar prejuízos.

Ontem, as equipes continuaram utilizando caminhões sugadores (conhecidos como "chupão") para absorver a água represada. Nesse trabalho, parte da sujeira acabou caindo no Rio Tietê, que fica ao lado. Nas ruas ficaram caixas, alimentos, tênis, botas, garrafas, madeira e muito lodo e restos do esgoto.

"Não começamos hoje a limpar as ruas porque já estava tarde e ainda há carros nas vias, portanto não seria possível passar com os tratores. Mas já usamos jatos de água para tentar desobstruir as galerias pluviais e vamos concluir o trabalho amanhã para irmos para outro ponto", diz o subprefeito de São Miguel Paulista, Milton Persoli.

Além da limpeza das ruas, a subprefeitura programou para hoje uma operação cata-bagulho para retirar o material que foi colocado pelos moradores nas portas das casas. Também será feita uma limpeza nos bueiros e nas galerias pluviais, uma vez que muitas estavam obstruídas.

As equipes tentam buscar formas de isolar algumas vias, para que, em caso de novas chuvas fortes, seja possível utilizar bombas e caminhões sugadores para remover a água. "A partir de janeiro, vamos nos reunir e estudar outras medidas para que as chuvas não provoquem alagamentos como esse", diz o subprefeito.

Morte

O frentista Cássio Rodrigo Sales de Lima, de 29 anos, pai do menino Isaac de Souza Lima, de 6 anos, que morreu no sábado com suspeita de leptospirose contraída na região do Jardim Romano, confirmou que o garoto teve contato com a água da enchente quando esteve na casa da mãe, Elaine de Souza Bisouto, de 30 anos, que vive na Vila Itaim. A suspeita de leptospirose, no entanto, só será confirmada daqui a 20 dias, quando estará concluído um laudo sobre a morte do garoto.

"Ele tinha manchas no corpo, dor de cabeça e febre muito alta", disse o pai. A doença é contraída por contato com a urina de rato. A Secretaria Municipal de Saúde informou no sábado que há cerca de 10 casos de suspeita de leptospirose no Jardim Romano.

Ontem, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) lamentou a morte de Isaac. "É muito triste, caso se confirme (o diagnóstico de leptospirose). Essa é a razão da importância dos nossos investimentos para que a gente possa tirar as famílias dessas áreas", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG