Após 2 anos, homem é condenado por matar policial militar em Campos

RIO DE JANEIRO ¿ Foi condenado a 22 anos de prisão, nesta quarta-feira, Marcos Antonio Gomes da Silva, acusado de assassinar o policial militar Renato Rangel da Mota Júnior com três tiros, em 16 de agosto de 2006. A decisão foi do Tribunal do Júri da Comarca de Campos, por maioria de votos.

Redação |

Acordo Ortográfico

O crime ocorreu quando, na madrugada do 16, houve um pedido da própria família para dominar Marcos Antonio que parecia fora de controle. Um pouco antes, ele havia agredido e expulsado de casa sua mãe, Zanilda dos Santos Silva, e seu irmão, Amaro Jorge Gomes da Silva, no bairro do Turfe, em Campos, na região Norte-Fluminense do estado do Rio de Janeiro.

Renato Rangel e mais três soldados da Polícia Militar tentaram imobilizar Marcos Antonio que resistiu ao pedido de retirada da casa dado pelos policiais. Do lado de fora da casa, o homem ficou se debatendo violentamente impedindo que fosse algemado. Durante a confusão, Marcos sacou a arma que estava no coldre na perna de Renato e fez três disparos contra ele.

O juiz Leandro Loyola, autor da condenação, lembrou que Marcos Antônio é reincidente e seu comportamento irá agravar ainda mais sua situação. "No caso concreto, o fato que originou a intervenção dos agentes policiais foi a agressão perpetrada pelo réu contra sua própria genitora e irmão, demonstrando que despreza, também, o seio familiar", disse o juiz.

Marcos foi condenado a 21 anos e seis meses de prisão pelo crime de homicídio qualificado e mais seis meses de reclusão por resistência às autoridades. O pena será cumprida, inicialmente, em regime fechado.

Leia mais sobre: violência

    Leia tudo sobre: assassinatocondenadoviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG