Apnéia pode prejudicar memória, indica estudo

Apnéia obstrutiva do sono pode levar a perda de tecido em regiões do cérebro ligadas à memória, indicou estudo da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), Estados Unidos. Segundo a Agência Fapesp, a pesquisa alerta para a necessidade de se detectar distúrbios respiratórios precocemente, para evitar complicações.

Agência Estado |

Segundo a agência, estima-se que cerca de 8 milhões de pessoas no Brasil sejam atingidas pelo problema. Nos EUA, chegam a 20 milhões de pessoas.

A apnéia do sono acontece pelo bloqueio súbito de uma via respiratória durante o sono, o que interrompe a respiração e resulta em episódios de ronco alto e fadiga crônica durante o dia. Com o problema, aumentam também riscos de derrame, doenças coronárias e diabetes.

Os danos cerebrais causados pela apnéia podem prejudicar a memória e raciocínio. A gravidade desses danos não diminui mesmo com o tratamento da apnéia, segundo o estudo, o que demonstra a gravidade do problema. A pesquisa da UCLA foi publicada na revista Neuroscience Letters .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG