Desgastado devido a desentendimentos com outros ministros e com a bancada ruralista do Congresso, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse hoje que deverá permanecer no cargo. Aqui no parlamento pediram o meu pescoço, mas pelo que me consta, ele ainda está no mesmo lugar e provavelmente vai ficar até o fim do governo Lula, então nós temos que nos entender, disse o ministro, após participar de sessão da Comissão de Meio Ambiente da Câmara para discutir a proposta de emenda à Constituição (PEC) que pretende transformar o cerrado e a caatinga em patrimônios nacionais.

Nos últimos dias, Minc fez duras críticas aos ruralistas e chegou a chamá-los de "vigaristas". No contra-ataque, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), presidida pela senadora Kátia Abreu (DEM-TO), pediu a demissão do ministro. Minc reconhece que se excedeu. "É claro que no momento da briga, eu tenho 20 anos de parlamento, sei como é isso, eu no carro da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura) me excedi", disse. Entretanto, ele sinalizou que está disposto a conversar com a senadora para resolver as diferenças.

Minc afirmou ainda que na semana que vem irá procurar a parlamentar do DEM. "Ora, fiz acordo com a soja, com a cana e com o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, por que não posso fazer com a senadora Kátia Abreu, que é muito mais bonita, muito mais simpática e muito mais articulada?", questionou. "O Brasil precisa de entendimento entre agricultura e ecologia", disse.

Avaliação do ministério

O ministro afirmou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, estão contentes com o trabalho da pasta. Segundo Minc, o meio ambiente deixou de ser um problema para o desenvolvimento do País. "Na quinta-feira passada estive com o presidente e ele disse que estava muito contente com o ministério por três razões: primeiro porque o desmatamento da Amazônia caiu pela metade, segundo porque o número de licenças dobrou e terceiro, porque eu tenho bom humor."

O ministro afirmou que Lula disse que quando ele briga tem de fazer as pazes e tomar cuidado ao falar publicamente de outros ministros. "Eu, como ministro obediente em relação ao meu chefe, não farei mais polêmicas públicas com outros ministros", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.