O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), afirmou na terça-feira não ter reduzido os investimentos para controle de enchentes em São Paulo - apesar dos cortes recentes feitos no orçamento da limpeza pública - e atribuiu a responsabilidade do problema ao pouco investimento feito pelos seus antecessores.

AE
Lixo espalhado na cidade de São Paulo

Lixo espalhado na cidade de São Paulo

"A Prefeitura está preparada de acordo com a dimensão dos investimentos na cidade nos últimos 50 anos", disse o prefeito.

Ele negou que os pontos de alagamento tenham relação com cortes na limpeza pública. "A Prefeitura deve estar preparada para as enchentes? Não. A Prefeitura deve estar preparada para as chuvas. É evidente que, em uma cidade como São Paulo, ela tem as suas dificuldades na convivência com a chuva", afirmou o prefeito.

Cortes na limpeza

O corte no orçamento da limpeza foi de 20% neste ano. Com a medida, deixaram de ser limpos o equivalente a 1.388 quilômetros de vias - grande parte está localizada na região central e no centro expandido da capital. A verba cortada é de R$ 54 milhões.

A Prefeitura alega que o contingenciamento de verba ainda não foi aplicado e que a relação entre diminuição na limpeza e aumento do lixo nas ruas não pode ser feita.

Outra alegação da gestão é que há vários "pontos viciados" de descarte irregular de lixo na cidade. Segundo a administração municipal, as subprefeituras ainda negociam com as concessionárias um novo plano de varrição das ruas.

Chuva provoca morte e caos

  • Tornado deixa pelo menos dez mortos na Argentina
  • Vendavais danificam 1,5 mil casas no Rio Grande do Sul
  • Sul e Sudeste deverão ter chuva nesta quarta-feira
  • Chuvas em São Paulo: bombeiros retomam buscas por crianças
  • Chuvas em Santa Catarina: sobe a 138 número de feridos

    Leia mais sobre enchentes

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.