Apesar da popularidade, pilates exige cuidado ao escolher academia

Nos últimos anos, o pilates vem sendo uma das atividades físicas que mais se difunde no País, aumentando o número de aulas nas academias e de estúdios especializados na técnica - desenvolvida pelo alemão Joseph Pilates no início do século 20. Esse boom tem a ver com os benefícios que o exercício promete: músculos firmes, fortes e alongados.

Agência Estado |

Mas, para quem tem vontade de se esticar, é importante procurar um local que tenha professores gabaritados, turmas reduzidas e também realizar exames prévios para avaliar a saúde.

"O método cresceu por sua eficiência, o que o torna lucrativo. Isso não seria ruim se não fosse pela falta de controle das escolas", diz Amanda Hoffmam Melo, fisioterapeuta e instrutora de pilates do Projeto Mulher, Pilates na Praça. Segundo ela, existe um órgão internacional, batizado de Pilates Method Alliance (PMA), que fiscaliza o método. "No Brasil, ainda não existe e, por isso, muitos professores são formados em cursos sucintos e deficientes. Há algumas escolas associadas ao PMA", diz.

Antes de procurar o espaço ideal, é preciso checar se essa atividade tem a ver com o seu perfil. "Antes de começar a técnica é fundamental procurar um médico que indicará quais são os exercícios ideais para o futuro esportista", alerta Inélia Garcia, professora do The Pilates Studio. De acordo com a profissional, quem tem hérnia lombar, por exemplo, dificilmente conseguirá realizar os a série. "Se o médico liberar, o professor terá de encontrar condições para o aluno, que realizará as manobras lentamente, sem peso algum."

Quem faz pilates, de vez em quando costuma forçar o corpo mais do que deve e, sem perceber, machucá-lo. Jason Gilbert, mestre em quiropraxia pela Macquaire University, em Sidney, na Austrália, dá uma dica: "quem sente dores durante a realização do pilates deve parar imediatamente, pois a dor é o sinal de que a atividade não está adequada". Para ele, o melhor a fazer é diagnosticar o motivo e tratá-lo antes de continuar com o esporte.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG