Ocorreu na noite de segunda, na sede do Sindicato dos Jornalistas, em São Paulo, a reunião anual da Associação Paulista de Críticos de Artes, a APCA, para apontar os melhores do ano em dez categorias artísticas: televisão, cinema, artes visuais, teatro, teatro infantil, dança, música popular, música erudita, literatura e rádio. A votação dos melhores de 2009 pela APCA mostra o dinamismo das artes em São Paulo, com a qualidade sendo destacada nas dez artes premiadas pela entidade, comenta o presidente, o crítico de teatro Aguinaldo Ribeiro da Cunha.

"O compromisso da APCA, desde a fundação, é exatamente esse: incentivo às artes, com o reconhecimento expresso da excelência artística em todas as categorias."

Foram sete premiados em cada categoria. A comissão de televisão, por exemplo, escolheu as minisséries "Capitu" e "Som & Fúria" como as melhores da telinha. Em cinema, "Cidadão Boilesen" foi o melhor documentário e "A Festa da Menina Morta", a melhor ficção. "Memória da Cana", do coletivo Os Fofos Encenam, foi eleita a melhor peça de teatro adulto, enquanto "Buuu!! A Casa do Bichão", do grupo As Meninas do Conto, ganhou como melhor peça infantil. Em artes visuais, o Museu Afro-Brasil ganhou pela iniciativa cultural e as melhores mostras foram Virada Russa, no CCBB, e Osgemeos, na Faap.

Na área de música popular, Ney Matogrosso fica com o troféu de melhor show, Céu com o de cantora e Lenine, compositor. Em música erudita, um dos premiados foi Ernst Mahle, pelo conjunto da obra. Em rádio, Antonio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta, será homenageado pelo lançamento do livro "Ninguém Faz Sucesso Sozinho". Em dança, Antônio Nóbrega foi premiado por sua pesquisa para "Naturalmente - Teoria e Jogo de uma Dança Brasileira". E em literatura, foram lembrados, entre outros: João Silvério Trevisan, pelo romance "Rei do Cheiro"; Modesto Carone, pelo ensaio "Lições de Kafka", e Paulo Markun, pela biografia "Cabeza de Vaca".

Os prêmios serão entregues em festa realizada em parceria da APCA com o Sesc, em 6 de abril de 2010, no Teatro Paulo Autran. O presidente comemora: "A APCA, após 53 anos, continua vigorosa, em plena forma, abrigando críticos experientes, com trajetórias expressivas, e críticos jovens, que dão sangue novo à associação. Todos atuam com entusiasmo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.