Anvisa amplia controle sobre alimento chinês

SÃO PAULO - A entrada e comercialização de produtos alimentícios chineses, em todo território nacional, foi proibida, segundo informações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A medida preventiva, editada nesta segunda-feira, também é válida para matéria-prima chinesa de origem láctea e outros alimentos que contenham leite, provenientes ou fabricados na China, na sua composição.

Agência Estado |

Acordo Ortográfico A decisão da Anvisa é baseada em informações da Rede Internacional de Autoridades de Inocuidade dos Alimentos (Infosan) e da Agência Nacional de Inspeção da China que noticiaram 54 mil casos de problemas renais (possível bloqueio dos tubos renais e presença de pedras nos rins) em crianças e bebês chineses.

O problema está relacionado ao consumo de fórmula infantil e produtos lácteos contaminados por melamina (produto químico usado na indústria de plásticos, não permitido para utilização em alimentos). O Ministério da Agricultura noticiou, ainda, que não há nenhuma empresa fabricante de produtos lácteos na China habilitada para o comércio destes produtos no Brasil.

Por precaução, as empresas do ramo alimentício, no Brasil, que tenham importado os produtos alimentícios da China, não poderão utilizá-los no processamento industrial de alimentos, nem efetuar o comércio destes produtos no país. Essa proibição permanecerá válida enquanto persistirem as condições que configuram risco à saúde da população.

Leia mais sobre: Anvisa

    Leia tudo sobre: anvisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG