Um ídolo esquecido do futebol, um jovem de 22 anos e uma reportagem sobre células-tronco realizada pela TV USP (Universidade de São Paulo) foram os grandes vencedores do 4º Festival Aruanda, encerrado na madrugada de ontem, em João Pessoa, na Paraíba. Um Artilheiro no Meu Coração! , de Lucas Fitipaldi, foi eleito melhor documentário.

Amanda e Monick ganhou o prêmio de melhor filme paraibano.

Um Artilheiro no Meu Coração! conta a história do pernambucano Ademir Menezes, o Queixada, que tornou-se o maior goleador de uma só Copa (a traumática, de 1950), mas caiu no esquecimento. Tudo porque não conseguiu fazer o gol que o Brasil necessitava para empatar com o Uruguai e tornar-se campeão do mundo. Nem os 9 gols que marcara no campeonato mundial fizeram dele um herói. "No Brasil, ninguém aceita a condição de vice", costumava dizer Ademir.

Já o jovem André Costa (de 22 anos), nascido em Campina Grande, na Paraíba, causou sensação. Competiu com dois documentários e os dois foram - com muita justiça - premiados. Amanda e Monick , sobre dois travestis que vivem numa pequena cidade do sertão do Cariri, foi eleito o melhor filme paraibano. Já A Encomenda do Bicho Mendonho , sobre um escultor de 94 anos, que criava seus trabalhos (desde os 7 anos e até os 94, quando morreu) sob encomenda de um monstro imaginário, ganhou o Prêmio Banco do Nordeste, o mais cobiçado, pois além de troféu, oferece prêmio em dinheiro. O jovem campineiro, que faz filme com baixíssimo orçamento, vibrou. Anotem o nome desse rapaz, pois ele está preparando seu primeiro longa. E tem muito talento e uma imaginação das mais férteis.

Uma reportagem feita por equipe (liderada por Pedro Ortiz) da TV USP (para a TV Universitária de SP), sobre células-tronco, ganhou o principal prêmio em sua categoria. O melhor filme de animação foi As Scimas do Destino (inspirado em poema de Augusto dos Anjos), de Paulo Leonardo Filho, de Pernambuco. O melhor curta ficcional foi Maridos, Amantes e Pisantes (inspirado em dois textos de Luis Fernando Verissimo), dirigido pelo carioca Ângelo Defanti.

O Fest Aruanda homenageou as atrizes Eliane Giardini (estrela do longa paraibano O Salário da Morte , de1970) e Conceição Senna, e o diretor fluminense Walter Lima Jr., muito estimado na Paraíba desde 1965, quando levou às telas o romance Menino de Engenho , de José Lins do Rego. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.