SÃO PAULO - Por meio de nota, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) negou nesta segunda-feira que as três vigas da construção de um viaduto do Rodoanel, trecho sul, que caíram na última sexta-feira, em São Paulo, foram instaladas sem o conhecimento do órgão ou da concessionária Autopista Régis Bittencourt, que administra a Rodovia BR-116. As obras do lote 5 do trecho sul do Rodoanel, onde ocorreu o acidente, são de responsabilidade da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário) e de um consórcio liderado pelas empresas OAS e Mendes Júnior.

Segundo a ANTT, o consórcio responsável pelas obras tinha a permissão para instalar dez vigas entre os dias 7 e 10 de novembro. Em entrevista coletiva à imprensa concedida no último sábado (14), o secretário estadual de Transportes, Mauro Arce, afirmou que as vigas que caíram haviam sido instaladas na terça-feira (10).

Para a colocação das vigas, o consórcio precisava receber uma autorização da concessionária Autopista para que tomasse as medidas necessárias a fim de garantir a segurança aos motoristas que trafegam na rodovia que está sob sua concessão. No entanto, o que ocorreu, de acordo com a ANTT, é que os trabalhos de colocação das vigas foram retomados nos dias seguintes sem o conhecimento da concessionária.

No período foram instaladas somente quatro vigas, e a continuidade dos trabalhos do lançamento das demais dependia de nova autorização, diz a nota da ANTT. Uma quinta viga que deveria ter sido instalada no período quebrou durante o transporte.

Na quinta-feira (12), por volta das 22 horas, a concessionária informou à ANTT que o consórcio havia retomado o trabalho de colocação das vigas sem tê-la avisado, e foi orientada pela agência a registrar um boletim de ocorrência policial sobre o fato.

O consórcio construtor e a Dersa procuraram a ANTT ainda na noite de quinta-feira, mas foram informados de que não seria possível obter a autorização naquele momento. Na sexta-feira pela manhã, após a solicitação do consórcio, foi concedida uma nova autorização para o içamento das vigas a partir da madrugada de sábado para domingo, segundo a ANTT. Com a nova autorização, o consórcio poderia concluir o içamento das vigas até a madrugada de hoje (16).

As obras estão paralisadas por 15 dias para que o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) possa elaborar um laudo sobre o acidente. A interrupção, segundo a Secretaria estadual de Transportes, não vai atrapalhar o cronograma das obras d e construção do Rodoanel, que tem a sua conclusão prevista para 27 de março do próximo ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.