SÃO PAULO ¿ Depois de passar pelo Rio de Janeiro, a 16ª edição do Anima Mundi, maior festival de animação da América Latina e terceiro do mundo, chega nesta quarta-feira (23) às telas da capital paulista. Dos 1.200 filmes pré-inscritos, foram selecionados 441 curtas e longas-metragens de 42 países para a programação, número considerado pela organização o máximo possível para quem quiser cumprir a tarefa hercúlea de assistir a todos, até o próximo domingo (27).

Um dos diretores do evento, Marcos Magalhães aponta que o que mudou desde a criação da mostra, em 1993, foi justamente a forma profissional como a animação passou a ser encarada, panorama, inclusive, que o Anima Mundi ajudou a estabelecer. Houve um refinamento, já que a animação agora está estabelecida como linguagem. Ela ganhou uma importância muito maior, vista não só como entretenimento, mas também como veículo cultural e até estratégico, ajudando a educação, sem nunca deixar de lado, é claro, a diversão.

O público poderá eleger por voto direto seus filmes e vídeos favoritos, nas categorias Melhor Curta-Metragem, Melhor Longa-Metragem, Melhor Curta Infantil, Melhor Animação Brasileira e Melhor Filme de Estudante. A premiação também terá um júri profissional para Curta-Metragem e Curta Infantil, nas categorias Melhor Animação, Melhor Roteiro, Melhor Trilha Sonora e Melhor Direção de Arte.

Argentino "Martín Fierro" é um dos destaques da programação / Divulgação

Além das quatro mostras competitivas e informativas, esta edição terá uma seleção especial de filmes de animação do maior festival internacional de curtas da Rússia, o Open Cinema. A tradicional retrospectiva homenageia desta vez Ray Harryhausen, responsável pelos efeitos especiais de filmes como Jasão e os Argonautas (1963), As Novas Viagens de Simbad (1974) e Fúria dos Titãs (1981), que serão exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Ray é uma espécie de ídolo da animação stop-motion, porque na época conseguia um nível de maestria e realidade fantástico. Hoje o que se faz em minutos no computador, ele demorava semanas artesanalmente, isso sem assistentes de direção e câmera, como se tem hoje, aponta Magalhães.

O festival também é famoso por workshops e palestras com animadores e profissionais da cadeia produtiva de todo o mundo. Estão confirmadas as presenças de Daniel Schorr, brasileiro radicado no Canadá; do alemão Andreas Hykade, diretor do western Ring of fire; do argentino Juan Pablo Zaramella, entre muitos outros, assim como a oficina de roteiro ministrada por Jean Ann Wright, que começou a carreira nos estúdios Hanna-Barbera.

A novidade deste ano fica por conta do bate-papo com James McCoy, supervisor de animação da Blizzard Entertainment, gigante norte-americana dos games, responsável pela série de jogos Warcraft, Diablo e Starcraft. Até hoje, não tínhamos conseguido abraçar a integração entre os dois mundos, porque o mercado dos games é tão grande ou até maior do que o da animação, mas a gente tenta manter a discussão do link entre as duas áreas, explica Magalhães. A Blizzard tem esse cuidado de colocar o jogador dentro do jogo através da animação, com filmes introdutórios, por exemplo, que exigem trabalho muito similar ao de um longa ou curta, com roteiro e storyboard.

O dinamarquês "Princess" mescla ação e cenas no mundo pornô / Divulgação

Entre os destaques do festival, está o dinamarquês Princess, exibido no último Festival de Cannes e que retrata o universo pornográfico; Idiots and Angels, comédia de humor negro do veterano Bill Plympton; Belowars, do paranaense Paulo Munhoz (Brichos), baseado no livro infanto-juvenil do poeta Paulo Leminski; The Pearce sisters, da tradicional produtora britânica Aardman (Wallace and Gromitt); e Animadores, novo trabalho de Allan Sieber (Deus é Pai). Também devem lotar as salas La svedese, fantasia sobre o romance da atriz Ingrid Bergman com o diretor Roberto Rossellini, e Martín Fierro, impressionante adaptação do poema gauchesco homônimo, que representa o bom momento da animação argentina.

Em outra atração, a Oups!, o visitante tem sua imagem captada ao entrar em uma sala de projeção, e passa a interagir com as animações que aparecem na tela. O público poderá também criar animações em parceria com os autores da instalação, Márcio Ambrósio e Sophie Klecker.

Paralelamente, ainda há espaço para o Anima Mundi Expo, feira montada no Memorial da América Latina, em São Paulo, para apresentar produtos e serviços voltados ao segmento de animação, e para o Anima Fórum, conferência realizada pelo terceiro ano consecutivo e que terá um seminário dedicado ao mercado latino-americano ¿ além dos hermanos argentinos, também participam da programação trabalhos da Colômbia, Uruguai, México e El Salvador ¿ e debates e conferências sobre a produção de animação para TV (séries, longas-metragens e especiais).

O festival acontece em São Paulo no Memorial da América Latina e no Centro Cultural Banco do Brasil. A programação completa está na página na Internet do Anima Mundi .

Serviço ¿ Anima Mundi 2008

São Paulo
Fundação Memorial da América Latina, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)
Ingressos: R$ 6 (Memorial) e R$ 4 (CCBB), com direito a meia-entrada
Sessões gratuitas: Futuro Animador

* Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: Anima Mundi

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.