Centro de Angra dos Reis tem manifestações opostas e simultâneas, contra e a favor da expansão do programa nuclear brasileiro

selo

De um lado, ambientalistas e estudantes com camisetas pretas. Do outro, funcionários da Eletronuclear vestindo branco.

O centro de Angra dos Reis, no litoral do Rio de Janeiro, foi palco hoje de manifestações opostas e simultâneas, contra e a favor da expansão do programa nuclear brasileiro, com a prometida construção da usina Angra 3.

"Nossa manifestação é pacífica e silenciosa", avisou Rafael Ribeiro, um dos conselheiros da organização não-governamental (ONG) Sociedade Angrense de Proteção Ecológica (Sape), pouco depois dos manifestantes dos dois grupos se cruzarem na praça General Osório. Cerca de 40 estudantes de duas escolas públicas engrossaram o coro de duas dezenas de ambientalistas, que percorreram ruas carregando faixas, velas acesas, uma coroa de flores e um caixão cenográfico até a praça da Matriz, usando máscaras brancas no rosto.

O grupo do "sim" era menor, cerca de 25 pessoas ao todo. "Nossa intenção não é o embate, mas o contraponto. Eles (os ambientalistas) estão tirando proveito da tragédia no Japão", disse o técnico de edificações Donato Borges, de 51 anos, que trabalha há 34 na Central Nuclear de Angra. Ele disse que o objetivo era mostrar a importância da construção da terceira usina na geração de empregos. "Sem as obras, serão 3 mil pessoas na rua em Angra".

Para Ribeiro, o ato dos funcionários foi "uma provocação apelativa". "São pessoas ligadas ao PT que estão penduradas na Eletronuclear e fazem esse papelão". Um defensor da energia nuclear ressaltou que Angra é bem mais moderna do que a usina japonesa de Daiichi, que registrou vazamentos após o terremoto que atingiu o país na semana passada. "Estamos aqui para mostrar as diferenças entre as usinas", disse o funcionário da Odebrecht Marcelo Vidal, de 39, que trabalha há 15 anos em Angra 2.

Alexandre Silva, do Comitê de Defesa da Ilha Grande, alertou para a eventual dificuldade de remoção de moradores da ilha em caso de emergência na central nuclear. Segundo ele, hoje esses moradores não são considerados nos planos de prevenção.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.