Angelina Jolie disputa com mortos-vivos preferência dos cambojanos

PHNOM PENH ¿ Além de Angelina Jolie, quem realmente faz sucesso nos cinemas cambojanos são os mortos-vivos, os fantasmas e os campeões de artes marciais em filmes asiáticos, que superam em preferência popular as produções hollywoodianas.

EFE |

Angelina Jolie é garantia de su-
cesso nas salas do Camboja / AP

Os longas-metragens multimilionários feitos na Califórnia nem passam perto das telas cambojanas, em parte devido aos preços que as distribuidoras cobram das salas de projeção, mas também por questões de demanda.

"Gostamos mais dos filmes de artes marciais ou fantasmas", afirmou o cambojano Lyhorn, que fica antenado nas últimas novidades. "O de hoje é protagonizado por Tony Jaa, é seu quarto filme", ressaltou o jovem, dando detalhes sobre a atuação do popular ator, diretor e coreógrafo tailandês.

Os jovens também são apaixonados por Angelina Jolie, tanto pelos papéis da atriz quanto pelas possibilidades que ela abre no Camboja com o dinheiro que investe em atividades filantrópicas.

"Mestre das Artes Marciais" ou "Medo Fantasmagórico 4" são dois dos títulos exibidos nesses dias na sala do Cinema Lux, na capital Phnom Penh.

O público jovem que lota a sala em todas e cada uma das exibições se deleita e anima com a destreza mais espetacular dos lutadores, e comenta a aparição na tela de seres assustadores em um tom aparentemente de diversão.

As produções de fantasmas, generosas em sangue e sustos de todo tipo, deliciam os adolescentes cambojanos. "Como passam medo, aproveitam para abraçar seu par", explicou Rattana, revelando a chave do sucesso.

Ao contrário de outros meninos, Pisey não gosta tanto de filmes de terror, porque, confessa, não consegue dormir depois. "Não gosto porque depois tenho que ir sozinho para cama, e não consigo dormir", explicou o cambojano.

As preferências por estes gêneros cinematográficos não distam das afeições e convicções mais íntimas da tradição khmer. Enquanto o boxe é o esporte preferido no país, as crenças em espíritos e fantasmas são a fonte principal dos medos pessoais.

Filme hollywoodiano, só pirata

A ausência de produções de Hollywood em cartaz no Camboja contrasta com o excesso desses longas em cópias piratas de DVD, incluindo últimas estreias, que podem ser encontradas em qualquer mercado ou na mesma rua em uma televisão no chão ou uma banca. "Esses tipos de filmes são vistos por aqueles que querem aprender inglês", explicou Lyhorn.

A maioria dos filmes em cartaz nos cinemas cambojanos é uma produção tailandesa dublada rudimentarmente por uma voz em off que se encarrega de traduzir todos os diálogos.

Ficaram para trás os anos nos quais o Camboja foi o centro de produção cinematográfica do Sudeste Asiático. Entre os anos 60 e 70, a sétima arte floresceu sob o reinado de Norodom Sihanouk, um fã do cinema que chegou a financiar e realizar meia dúzia de filmes.

"Faziam cinema de estilo europeu, muito influenciado pelo que se fazia na época na França", explicou Gaëtan Crespel, diretor do arquivo de Bophana, um centro de pesquisa dedicado a resgatar o patrimônio audiovisual cambojano.

O regime maoísta do Khmer Vermelho levou ao abrupto fim da Hollywood cambojana, como ao dos bancos e de tantas outras coisas, por entender que os filmes eram um passatempo capitalista.

Após o fim do regime do Khmer Vermelho, finalizadas duas décadas de guerra civil, restabelecida a democracia e com uma população majoritariamente jovem, Crespel disse que a indústria audiovisual do país começou a recuperar seu antigo vigor, embora dirigida a outros gêneros.

"Dedicam-se quase exclusivamente a produzir vídeos para karaokê, que é o que dá mais dinheiro", acrescentou Crespel.

(Reportagem de Jordi Calvet)

Leia mais sobre: Camboja

    Leia tudo sobre: cambojacinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG