Prostituta do caso Spitzer pede US$ 10 milhões por vídeos antigos" / Prostituta do caso Spitzer pede US$ 10 milhões por vídeos antigos" /

Andréia Schwartz, exclusivo para o iG: ¿Só me arrependo de ter sido ingênua¿

SÃO PAULO - A brasileira Andréia Schwartz, capa da revista Sexy do mês de maio, ficou famosa no mundo inteiro ao ser envolvida no escândalo de prostituição que derrubou o ex-governador de Nova York, Eliot Spitzer. Ela foi condenada pela Justiça dos EUA por explorar a prostituição e por porte de drogas. Andréia participou nesta terça-feira, dia 29, de um chat no iG e também concedeu entrevista à reportagem do Último Segundo. http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/04/29/prostituta_do_caso_spitzer_pede_u10_milhoes_por_videos_antigos_1291466.htmlProstituta do caso Spitzer pede US$ 10 milhões por vídeos antigos

Jair Stangler, repórter do Último Segundo |

Reprodução
Andréia Schwartz é capa da Sexy de maio
Andréia é capa da Sexy de maio
Aos internautas, Andréia afirmou que nunca quis ser estrela e que há males que vem para o bem. Disse ainda que as partes do corpo que mais gosta são os seios e a boca. Segundo Andréia, nos Estados Unidos, sua vida era de glamour, de poder conhecer celebridades, mas era muito ocupada, eles me ligavam para ser empresária lá.

Andréia contou também que está produzindo uma minissérie para HBO, nos Estados Unidos, baseada em seu caso e que está escrevendo um livro. Disse ainda que posaria nua novamente, por que não?. Contou também ter tido relação com Mark Anthony (cantor latino, atual marido de Jennifer Lopez), entre outros. Andréia disse ainda que o único arrependimento que guarda é o de ser ingênua e negou ter feito qualquer cirurgia plástica.

Leia a entrevista concedida à reportagem do Último Segundo após o chat:

Você explorava prostituição nos Estados Unidos?

Não. Eu estava fechando um negócio para a compra de um hotel, onde eu era uma sócia minoritária, com outros empreendedores. Por ciúme, inveja, uma dessas pessoas me conheceu num bar, já sabia quem eu era, se passava por amigo, fizemos amizade, sabia que eu trabalhava com modelos... Foi marcada uma sessão de fotos com duas modelos, e nesse dia em que eu marquei com as modelos, chegando em casa, naquela noite, em frente ao meu prédio, fui presa, porque, segundo eles, as meninas tinham se oferecido por R$ 1.500 dólares, e eu seria a responsável. Mas a realidade é que eles tinham procurado meninas para fazer fotos e até hoje não foi provado que tenham se oferecido por dinheiro. Essa armação toda para confiscar os meus bens... Eles criaram a droga, ela foi plantada. Um dos policiais já foi demitido porque descobriram a armação e as meninas que iam fazer fotos fizeram interpretação de prostitutas, e levou a esse escândalo todo.

Luciana Fracchetta
Andréia durante entrevista ao Último Segundo
Andréia durante entrevista ao Último Segundo

Quem teria interesse em armar isso?

Olha, Nova York é um lugar de poder, dinheiro e, também, inveja. A pessoa que me fez essa armação era ligada com policiais corruptos, que quiseram se beneficiar, se promovendo e confiscando meus bens. É uma questão mais de dinheiro.

O que aconteceu com o governador? Você o conhecia?

Eu conhecia várias pessoas, como eu comentei. O governador eu conheci numa festa, através de empresários, conhecia algumas modelos, que até então faziam provas de roupas...

Você trabalhava como agenciadora dessas modelos, mas não eram modelos, como às vezes as pessoas conhecem, certo?

Até ontem eu falei sobre isso com a Ana Hickmann, ela ficou bem ofendida... Porque existem modelos top model, modelos e modelos classe b. Modelo classe b não precisa ter altura, ela pode fazer eventos e pode fazer fotos de roupas. Eu mesma sou uma modelo classe b, e eram as pessoas com quem eu convivia. Se elas faziam coisas à parte, era por conta delas, eu não tinha parte nisso. E uma das modelos que trabalhava comigo se relacionava com o governador e quiseram conectar tudo.

Quanto tempo você morou nos Estados Unidos?

Eu moro fora do Brasil desde os 20 anos, hoje tenho 31. Nos Estados Unidos foram oito anos.

E o sotaque já ficou bem...

... bem estranho, porque eu falo espanhol, italiano e inglês, mentalmente você pensa os três, mas já já eu volto ao normal.

E o cabelo? Você chegou morena, depois você apareceu loira na TV, agora está morena de novo...

Eu estava querendo me esconder, mas não teve jeito! Eles insistiram tanto na entrevista, eu estava em Vitória, o repórter foi até lá, e eu acabei fazendo, e eu tive que fazer loira. Honestamente, eu não tinha interesse em ficar loira, eu fiz isso para me esconder. Eu prefiro o original!

Uma pergunta de interesse do público masculino: quem é melhor? O homem brasileiro ou americano?

Reprodução
Para Andréia, a nacionalidade do rapaz não importa...
Para Andréia, a nacionalidade do rapaz não importa...

Eu já tive relacionamento com italiano, com americano e, claro, meu primeiro namorado era brasileiro... Existe uma coisa que você não pode distinguir o homem brasileiro, do americano, inglês, francês, japonês, não... Eu acho que isso é coisa de química e homem inteligente tem em todo lugar do mundo. Mas eu estou há tanto tempo sem namorado, não sei nem definir mais essas coisas.

Você gostou das fotos da revista Sexy?

Gostei sim, ficaram muito boas.

E sua família, gostou?

Eles aprovaram antes que eu aprovasse.

Leia mais sobre: Eliot Spitzer - Andréia Schwartz

    Leia tudo sobre: cafetina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG