Análises mostram que situação de solo em Santa Catarina não sofreu alteração nas últimas horas

NAVEGANTES (SC) - A última análise dos técnicos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de Santa Catarina e de São Paulo, que estão orientando os trabalhos de resgate das vítimas da chuva, mostra que não houve alteração do solo nas últimas horas.

Agência Brasil |

A situação nas áreas vermelhas, consideradas críticas, permanece inalterada. O comando de resgate mapeou toda a área atingida pela chuva e classificou por áreas. As áreas vermelhas são aquelas isoladas, mas onde ainda existe pessoas.

Há também as áreas pretas, próximas do gasoduto, nas quais não há residências, mas indústrias. Nessas áreas é proibida a permanência de qualquer pessoa, inclusive membros das equipes de resgate. Nas chamadas ilhas de segurança estão localizados os abrigos.

De acordo com o tenente PM Alessandro Felzch, se o tempo permanecer estável serão necessários pelo menos dois meses para que o solo seque e não haja mais rico de deslizamento. Isso não pode ser tratado de forma exata. São vários pontos diferentes de terreno.

O tenente disse que o trabalho de varredura continua para retirar as famílias que insistem permanecem nas áreas vermelhas. O problema é que depois de resgatados, muitos voltam às casas. Eles estão fazendo isso à noite para fugir do resgate.

Ele voltou a pedir que os moradores não voltem às casas sem autorização do comando de segurança, já que a situação pode volta r a se agravar a qualquer momento

As operações hoje estão centradas na distribuição de alimentos, água e roupas nas comunidades que ainda estão isoladas, e remoção de pessoas com necessidades especiais e de atendimento médico.

Leia também:

Leia mais sobre: chuvas em Santa Catarina

    Leia tudo sobre: enchentesanta catarina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG