O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, declarou hoje que o adiamento da visita ao Brasil do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, não provocou desgaste nenhum entre os dois países. Amorim esclareceu que não há ainda uma nova data marcada para a viagem, mas afirmou que o Brasil tem todo o interesse em cooperação com os iranianos.

O ministro avisou ainda que o convite para o presidente eleito em 12 de junho "está de pé", seja Ahmadinejad reeleito ou seja eleito algum opositor seu.

Ao confirmar o convite, o ministro quis demonstrar que o Brasil está empenhado em ampliar a relação comercial entre os dois países, daí a manutenção da reunião entre os empresários dos dois países, apesar do cancelamento da visita presidencial. "Temos de esperar as eleições e, então, veremos quem vai ganhar. Mas o convite está de pé", afirmou Amorim. "Temos interesse em cooperação com o Irã porque não dialogamos apenas com países com os quais estamos de acordo", prosseguiu o ministro, que se referia às declarações de Ahmadinejad, na Organização das Nações Unidas (ONU), sobre holocausto, que provocaram reações de desaprovação pelo mundo a fora, inclusive pelo Brasil.

"Não estamos de acordo com algumas opiniões (do presidente iraniano). Já dissemos isso e não precisamos repetir. Inclusive publicamos uma nota depois do pronunciamento de Ahmadinejad. Mas isso não deve nos impedir de dialogar porque não podemos dialogar somente com quem estamos de acordo porque isso não é dialogo, é monólogo", completou o ministro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.