Força Nacional deve permanecer por mais 90 dias no Sul do Amazonas

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Região registra conflitos com indígenas desde dezembro de 2013. Permanência pode ser prorrogada novamente

Agência Estado

A permanência da Força Nacional de Segurança em Humaitá, no Amazonas, onde a população entrou em conflito com índios da etnia Tenharim, foi ampliada por mais 90 dias. A decisão está presente em portaria do Ministério da Justiça publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (13). A Força Nacional foi enviada para reforçar a segurança local em 27 de dezembro, logo após o desaparecimento de três moradores que atravessavam a reserva indígena.

Conheça a home do Último Segundo

Mais: Força Nacional vai garantir segurança na retirada de não índios de reserva no MA

Agência Pública
Na frente da sede da Funasa, em plena Avenida Transamazônica, uma Hilux queimada, continua no local

Segundo a portaria, a Força Nacional seguirá nos próximos três meses atuando em apoio a Polícia Federal em ações de policiamento ostensivo. O prazo de permanência da Força Nacional no local poderá ser prorrogado novamente.

A tensão em Humaitá aumentou quando o técnico da Eletrobrás Amazonas Aldeney Ribeiro Salvador, o professor Stef Pinheiro e o comerciante Luciano Ferreira Freire desapareceram. A informação na cidade é que eles teriam sido sequestrados e mortos pelos índios Tenharim, que assim estariam vingando a morte do cacique Ivan Tenharim. A versão oficial da morte do cacique é que ele sofreu um acidente de moto na BR-230.

Para os índios, ele foi assassinado por pessoas descontentes com a presença dos índios nas cidades e com a cobrança de pedágios para passar por suas terras, nos quais são cobrados valores de R$ 15 a R$ 100. Os índios negam a acusação de sequestro. Revoltados com os desaparecimentos, moradores incendiaram a sede da Funai, três carros e um barco.

O Diário Oficial desta segunda-feira também traz uma portaria que prorroga o emprego da Força Nacional por três meses na região de Santa Inês (MA), onde fica a reserva indígena Awá-Guajá. Decisão judicial determinou que os não-índios devem deixar a área em 40 dias. A Força Nacional já está no local desde o dia 5 de janeiro.

Leia tudo sobre: força nacionalamazonasconflitosíndios

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas