interferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na definição dos postos de comando da comissão representam um ¿humilhação ao Senado¿." / humilhação para o Senado - Brasil - iG" / interferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na definição dos postos de comando da comissão representam um ¿humilhação ao Senado¿." /

Álvaro Dias diz que interferência de Lula é humilhação para o Senado

BRASÍLIA - O senador Álvaro Dias (PSDB-PR), autor do requerimento de criação da CPI da Petrobras disse nesta segunda-feira que a http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/06/08/lula+ira+interferir+para+articular+composicao+da+cpi+da+petrobras+6604939.html target=_topinterferência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na definição dos postos de comando da comissão representam um ¿humilhação ao Senado¿.

Severino Motta, repórter em Brasília |


Isso é uma interferência indevida. Se o Congresso aceitar isso ele se agacha. A CPI é uma prerrogativa do Senado, aceitar interferências é uma humilhação, disse.

A fala de Dias foi uma resposta ao ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, que nesta manhã declarou à imprensa que Lula vai conversar com os lideres do PT e PMDB sobre a presidência e relatoria da CPI da Petrobras.

Dias ainda disse acreditar que a CPI vai ser instalada nesta quarta-feira, conforme acordo firmado na semana passada entre o governo e a oposição. De acordo com ele, não vai ser possível ao governo manobrar novamente para postergar o início dos trabalhos.

Há senadores que não vão fazer o papel de vaquinha de presépio. O senador Fernando Collor (PTB-AL) e Jefferson Praia (PDT-AM) garantiram que vão comparecer à reunião e teremos quórum para instalar a CPI, disse.

Pelas contas de Dias, com os dois senadores acima citados mais os três da oposição, só vai ser preciso que o atual presidente da CPI, Paulo Duque (PMDB-RJ), que ocupa o cargo por ser o membro mais velho, abra a sessão e promova eleição do presidente e do relator. Como a CPI conta com 11 titulares, seis senadores podem realizar uma sessão e deliberar.

Questionado sobre o impasse na CPI das ONG's, uma vez que a oposição manobrou para destituir o senador Inácio Arruda (PC do B-CE) da relatoria da comissão e alçou o líder do PSDB ao cargo, Arthur Virgílio (AM), Dias disse que CPI não é um balcão de negócios, e que não é possível se vincular um acordo ao outro.

O governo não pode condicionar a instalação da CPI da Petrobras à devolução da relatoria da CPI das ONG's, CPI não é um balcão de negócios, frisou.

Apesar da vontade tucana, a reportagem apurou que parte dos senadores governistas cogitam adiar a instalação da CPI para agosto, depois do recesso parlamentar. Para isso usariam o feriado desta quinta como desculpa para jogar a instalação para a próxima semana. Após isso as fesdtas juninas e a votação da LDO seriam os argumentos para o adiamento.

Eles não podem alegar isso. O feriado, inclusive, não faz diferença. Aqui, toda quinta-feira é feriado, pois não há sessões deliberativas, pontuou Álvaro Dias.


Veja também:

Opinião

Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    Leia tudo sobre: cpi da petrobras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG