Alunos e professores pedem pelo repasse de recursos do Pró-Jovem Trabalhador

BRASÍLIA - Alunos e professores do programa Pró-Jovem Trabalhador, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), se reuniram nesta terça-feira (10) em frente ao ministério para reclamar da falta de repasse das verbas do programa para o Consórcio Social da Juventude ¿ Trilhas da Juventude, que coordena o programa no Distrito Federal.

Agência Brasil |

Agência Brasil

Segundo eles, há pelo menos 60 dias, as entidades que capacitam jovens carentes e com dificuldade de conseguir o primeiro emprego não recebem os recursos para o pagamento dos salários de professores e outros funcionários, vales-transporte, lanche e as bolsas dos alunos.

Uma comissão de representantes do consórcio foi recebida nesta manhã por técnicos do ministério, que disseram que a situação não está ocorrendo só no Distrito Federal. Eles apresentaram a autorização de pagamento, garantindo que a verba será repassada até a próxima semana.

Esse movimento só ocorreu por conta da falta de diálogo da parte do ministério. Nós encaminhamos vários documentos, solicitando audiência, um encontro, para que se pudesse entender o que estava acontecendo, afirmou o presidente do Instituto Cultural, Educacional e Profissionalizante de Pessoas com Deficiência do Brasil (Icep-Brasil), Sueid Miranda Leite.

Ele contou que o consórcio estava sendo pressionado tanto pelos jovens quanto pelas entidades que ministram os cursos. Por falta de vales-transporte e as entidades devendo lanche, muitos não poderiam nem passar em frente à padaria que eram cobradas, disse.

No Distrito Federal, o Pró-Jovem Trabalhador atende duas mil pessoas entre 16 e 24 anos, em situação de vulnerabilidade social, sendo que 300 são deficientes. A partir da semana que vem, eles entram na fase dos cursos específicos, para depois serem colocados no mercado de trabalho.

Os jovens que participam do projeto têm direito a uma bolsa de R$ 600, divididos em quatro parcelas de R$ 150, de acordo com informações de Sueid Leite. Além disso, eles ainda recebem lanche e vale-transporte. Inicialmente, o ministério deveria ter repassado R$ 2,2 milhões. Na próxima semana, a promessa é que sejam repassados R$ 850 mil.

    Leia tudo sobre: protesto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG