Alta temperatura e ar seco prejudicam a saúde no verão

SÃO PAULO ¿ O verão chegou e nesta terça-feira foi registrada a maior temperatura (até então) do ano: 35,6º em São Mateus, na zona leste da cidade, segundo o Centro Gerenciamento de Emergências (CGE).

Danielle Ferreira, do Último Segundo |

Para se defender do calor e se prevenir do mal-estar que o tempo seco e quente pode causar para a saúde, o clínico-geral Paulo Olzon, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), recomenda a utilização de umidificadores de ar em ambientes fechados. Olzon diz que colocar recipientes com água ou toalhas molhadas no quarto antes de dormir não é uma medida eficiente, pois o nível de evaporação seria muito baixo.

O médico também diz que a propagação de doenças respiratórias nesta época de calor acontece devido à diminuição dos mecanismos de defesa do corpo humano. O funcionamento do aparelho respiratório muda e fica desidratado por causa da baixa umidade do ar. O muco ¿ secreção que removemos quando tossimos ¿ fica mais espesso e difícil de ser removido, acabando por se depositar na parede da traqueia. As impurezas grudam nesse muco, e quando está seco as bactérias e a sujeira ficam paradas na parede respiratória, diz o doutor Paulo Olzon.

AE
Crianças aproveitam o dia quente na represa de Mairiporã, em SP

Com a temperatura alta, sentimos mais sede, a pele fica mais seca, pois sua umidade evapora facilmente e há uma perda sensível de água pela nossa respiração.  Tudo isso facilita crises de pneumonia e asmas, doenças respiratórias comuns. 

Para os que possuem esse problema, o médico dá algumas soluções caseiras. Ligar o chuveiro, deixar o vapor bem denso e respirar dentro do banheiro pode facilitar a vida de quem é prejudicado pela baixa umidade do ar. Outra dica é colocar uma panela com água para ferver e deixar o vapor umidificar o ambiente ¿ todas as portas e janelas devem estar fechadas.

O ventilador tira a camada de calor  que possuímos em volta de nosso corpo e coloca o ar do ambiente em circulação. Com a dissipação dessa camada de calor, o corpo resfria. O aparelho pode ser usado em ambientes fechados, porque ele não diminui a umidade do ar.

O índice de umidade relativa do ar despencou nesta terça em São Paulo, chegando a 26% no bairro de Parelheiros. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera insatisfatórios índices abaixo dos 30%.

Doenças respiratórias

O médico pneumologista pediátrico Bernardo Kiertsman diz que a ocorrência de doenças respiratórias é maior no inverno do que no verão e que nesta época é comum a propagação de alergias.

No verão, como utilizamos muito piscinas, em lugares fechados, com cloro, há a maior ocorrência de infecções nas vias respiratórias superiores, como rinites e faringites, afirma Kiertsman.

A infecção dessas partes do corpo desencadeia complicações como pneumonia e crises de asma e quando há muitas chuvas esses problemas não ocorrem  com frequência.

O pneumologista diz que as crianças sofrem bastante com o tempo seco e que brincar ao ar livre e em lugares arejados, beber bastante líquido e usar pouca roupa melhora a situação. Ao contrário do doutor Olzon, Kiertsman indica os recipientes com água nos quartos para umidificar o ar. Ele também recomenda o vapor do chuveiro para melhorar a qualidade do ar nas residências.

O médico diz que é importante lembrar que o clima seco facilita a propagação de doenças alérgicas e que de 20 a 30% da população de São Paulo apresenta quadros de asma. É muita gente, com o tempo seco é fácil isso [propagação de crises] acontecer, diz o médico.

Ele ressalta que o ar condicionado, desde que limpo e com a temperatura e manutenção adequadas, não é prejudicial à saúde. Entretanto, o aparelho pode facilitar a propagação de vírus se estiver em um ambiente fechado e com muitas pessoas.

*Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: calor - tempo seco

    Leia tudo sobre: calor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG