Alongamento: fundamental para boa qualidade de vida

Alongamento: fundamental para boa qualidade de vida Por Eduardo Diório São Paulo, 17 (AE) - Não basta ter o melhor plano de saúde ou realizar check-ups periódicos para ficar em dia com o bem-estar do corpo. Estudos recentes comprovam que o estilo de vida adotado é o principal fator que interfere na sanidade física e mental.

Agência Estado |

Viver de forma saudável, porém, requer conhecimento e disciplina: estar ciente dos problemas que uma vida sedentária pode acarretar ou dos malefícios que o cigarro provoca no organismo já é um bom começo para pensar em novos hábitos de vida. Não sabe por onde começar? Fazer alongamentos pode ser o primeiro passo.

Uma pesquisa realizada pela British Heart Foundation com servidores públicos de Londres (Inglaterra), e publicada na revista "European Heart Journal", mostra que empregados com menos de 50 anos que sofrem de estresse têm 68% mais chance de desenvolver doenças cardíacas do que os que trabalham em ambientes livres de pressões. O estudo - que observou mais de 10 mil funcionários - também constatou que 32% do impacto do estresse se deve à má alimentação e à falta de exercícios.

"Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), quase dez milhões de pessoas morreram no Brasil em decorrência de enfarte do miocárdio, derrame cerebral, câncer e diabetes. Essas doenças não apareceram de repente. Elas surgiram em conseqüência de um estilo de vida não-saudável", lembra Alberto Ogata, presidente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV). "Claro que se alguém adotar bons hábitos não viverá para sempre, mas estará longe desses males", completa.

Para o médico Ricardo de Marchi, mestre pela Universidade de Paris IV com especialização em Corporate Wellness and Sports Medicine (Bem-estar Corporativo e Medicina do Esporte) pela Stanford University, não é tão difícil escapar dos dados da OMS. "Um estilo de vida positivo aliado ao humor, desafios, alegria e exercícios faz com que o corpo se torne saudável." Ele garante que o alongamento é um forte aliado "que ajuda a manter o corpo mais flexível e adiar, ou mesmo diminuir, o aparecimento de dores."
Inelia Garcia, professora do The Pilates Studio, é especialista em alongamento e não passa um dia sem esticar o corpo. "Por meio do alongamento, melhoramos a capacidade de relaxamento do físico e da mente, melhorando o equilíbrio muscular e a circulação", explica. A profissional acredita que, depois de um tempo, a pessoa passa a ter mais controle da respiração, além de mais agilidade e força. "Antes de começar qualquer tipo de atividade que proporcione qualidade de vida, por mais tranqüila que seja, é preciso procurar um médico que indicará quais são os exercícios ideais para o futuro esportista", alerta Inelia.

Foi em busca do bem-estar que a personal trainer Paola Uhlendorff, 41 anos, passou a se dedicar ao alongamento. Adepta da musculação, encontrou em uma simples espreguiçada o elemento que faltava para começar bem o dia. "Depois de me esticar como um gato, meu dia ganha outra cor. Isso me ajuda a ter mais liberdade nos movimentos e um controle maior dos movimentos do corpo", conta.

Assim como Paola, a fisioterapeuta Eliane Franckevicius, 40 anos, não dispensa o alongamento. "É um jeito que encontrei de liberar o peso que carrego nas costas por conta do dia atribulado."
Carregar peso nas costas não é bom para as articulações. Quando o peso extra faz parte da própria estrutura corporal, na forma de gordurinhas, também há problemas. "As pessoas não sabem que o aumento da medida da circunferência da cintura é um importante fator de risco para doenças cardíacas. Um homem com circunferência abdominal maior ou igual a 94cm possui 3,25 vezes mais risco do que aqueles abaixo dessa medida", diz Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do Hospital do Coração.

Para os adultos, o cardiologista indica uma caminhada de 30 minutos por dia; para as crianças que estão acima do peso, o ideal são 60 minutos de atividade física diária. "Procure ajuda de pessoas incentivadoras que participem com você ou possam reforçar a importância da prática de exercícios. Também é interessante reduzir o tempo que a sua família passa diante da TV", completa Pavanello.

O estudante Leandro Pereira Gevaerd, de 21 anos, encontrou nos exercícios aeróbicos a solução para o excesso de peso que apresentava desde a adolescência. Hoje em dia, vai à academia ao menos cinco vezes por semana. "Tinha mais peso quando era garoto. Em dois anos de academia, fiquei com um corpo bacana e com a mente mas tranqüila, que é o mais importante", conta. Quando precisa esvaziar a cabeça de problemas, ele apela para uma corrida pelo parque e para uma alongada no corpo. "Acho que isso tem ajudado a aumentar a minha flexibilidade."
O professor de musculação da academia Competition, Rodrigo Wilson de Freitas, acredita que a opção de Gevaerd pelas atividades físicas para queimar calorias foi bastante certeira. "A partir dos 15 anos de idade, todo mundo deveria praticar atividades físicas com dedicação." Segundo o profissional, caminhar e alongar são práticas fundamentais para viver bem, deixando os esportistas longe de vários problemas de saúde. "Como diz o velho ditado, se o corpo está são, automaticamente a mente estará sã", completa.

BOXE 1: A QUANTIDADE IDEAL DE EXERCÍCIOS
De acordo com o livro ‘Wellness, Seu guia de bem-estar e qualidade de vida’, de Alberto Ogata e Ricardo de Marchi, em 2007 a Associação de Cardiologia e o Colégio Americano de Medicina do Esporte reafirmaram suas recomendações para
que as pessoas fossem mais ativas. Segundo os estudos, indivíduos com menos de 65 anos devem fazer exercícios aeróbicos moderados (como caminhar) pelo menos 30 minutos ao dia, cinco
dias por semana, ou modalidades mais intensas, como correr, nadar ou praticar spinning, por pelo menos 20 minutos, três vezes por semana. Uma atividade física que não deve ser dispensada é o alongamento, que deve ser feito diariamente,
durante os sete dias da semana, em todos os momentos possíveis.

Boxe 2: PASSO-A-PASSO
1. Deitada, quadril apoiado no solo. Uma perna flexionada para ajudar a dar mais estabilidade à coluna. Passe uma faixa pela planta do pé e a segure com as duas mãos. Leve a perna em direção ao tronco, com o tornozelo em flexão dorsal. Inspire e expire lentamente. Permaneça na posição de 15 a 30 segundos. Troque de perna e repita o exercício;
2. Na mesma posição do exercício anterior, deitada, quadril apoiado no solo, passe a faixa na planta do pé direito e segure a faixa com a mão esquerda. Cruze a perna direita por cima da esquerda e mantenha a posição de 15 a 30 segundos. O
exercício alonga os glúteos e as pernas. Repita trocando as pernas;
3. Deitada, quadril no solo, pernas para cima com os tornozelos em flexão dorsal. Passe a faixa pela planta dos pés. Leve as pernas em direção ao tronco alongando toda a cadeia muscular posterior do corpo. Fique na posição por 20 segundos;
4. Deitada de lado, conduza o calcanhar em direção ao glúteo,
usando a faixa para pegar o pé. Contraia o abdômen para estabilizar a coluna lombar. Mantenha a posição por 15 a 20 segundos. Repita com a outra perna;
5.Sentada no solo, uma perna estendida à frente e a outra
flexionada com a planta do pé encostada na perna. Coloque a faixa na planta do pé da perna estendida com flexão dorsal do tornozelo. Flexione o tronco à frente em direção as pernas. Use a respiração para facilitar o alongamento;
6. Da posição ajoelhada, leve o pé esquerdo para frente e o apóie no chão. Leve o joelho direito bem para trás e a coxa direita para o solo abaixando o quadril. Apóie a mão
esquerda no solo e o cotovelo direito na coxa esquerda. Alongue o quadril e a parte anterior da coxa direita;
7.Sentada no solo, pernas afastadas. Flexione lateralmente o tronco e leve um braço por cima da cabeça e o outro à frente. Alongue toda a parte lateral do tronco, braços e músculos internos e posteriores da coxa. Respire lentamente usando a respiração para intensificar o trabalho de alongamento;

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG