Alimentos caem, energia desacelera e inflação em SP arrefece

SÃO PAULO (Reuters) - A inflação ao consumidor em São Paulo desacelerou mais que o esperado, devido à continuidade do arrefecimento do reajuste de energia elétrica e a uma queda de preços de alimentos. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,28 na terceira quadrissemana de setembro, ante alta de 0,42 por cento na segunda, informou a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) nesta quinta-feira.

Reuters |

Analistas consultados pela Reuters previam uma taxa de 0,37 por cento.

Os preços do grupo Habitação subiram 0,60 por cento nesta leitura, abaixo da elevação de 0,87 por cento na anterior. Esse grupo foi fortemente impactado em agosto pelo reajuste da energia elétrica, mas a partir do começo de setembro já começou a mostrar desaceleração, e no fechamento deste mês a alta já deve praticamente se esgotar.

Os custos de Alimentação tiveram queda de 0,09 por cento na terceira quadrissemana, após avançarem 0,33 por cento na segunda.

Já os preços de Saúde aceleraram a alta, para 0,48 por cento, contra 0,16 por cento antes.

O IPC da terceira quadrissemana mediu os preços de 24 de agosto a 22 de setembro.

O IPC mede a variação dos preços no município de São Paulo de famílias com renda até 20 salários mínimos.

(Reportagem de Vanessa Stelzer)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG