O governo está com medo de que as manobras dos parlamentares da base aliada, principalmente do PT e do PMDB, contra o projeto de lei da ficha limpa - a proposta que impede a candidatura de políticos condenados pela Justiça - acabem prejudicando a campanha da pré-candidata petista à presidência da República, Dilma Rousseff. O projeto enfrenta a resistência de parlamentares de todos os partidos, mas até agora apenas aliados se posicionaram explicitamente contra a aprovação da proposta.

A preocupação do Palácio do Planalto cresceu depois que, ao longo da última semana, o PSDB, o DEM e o PPS decidiram transformar o projeto em um embate entre governo e oposição. Na avaliação de governistas, uma votação significativa da bancada PT contra a proposta seria um "desastre" para a campanha de Dilma Rousseff, especialmente depois que o pré-candidato tucano à Presidência da República, José Serra, afirmou que seus "adversários flertam com a falta de ética".

Por conta desse diagnóstico, a ordem agora é tentar convencer os deputados da base de apoio contrários à proposta a não ir para a linha de frente na defesa do engavetamento do "ficha limpa". Com isso, esperam evitar a exposição desnecessária de parlamentares governistas, que não querem ver o projeto aprovado, e negociar uma saída legislativa que não prejudique Dilma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.