Algemas não devem ser usadas para humilhação, diz diretor da Abin

BRASÍLIA - O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Paulo Lacerda, disse nesta quarta-feira, em audiência da CPI dos Grampos, que o uso de algemas no País deve ser disciplinado e que não pode ser um instrumento de humilhação, independente da classe social do detido. De acordo com ele, que há pouco mais de um ano era diretor-geral da Polícia Federal (PF), a discussão é antiga e há uma divergência dentro da PF sobre sua aplicação.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

"É uma discussão antiga, não conseguimos encontrar meio termo dentro da PF, quem como eu, não trabalhou à frente das operações mais violentas, tem uma visão mais tolerante, mas aquele policial, o chamado tira, tem mais essa sensibilidade do criminoso, da sua astúcia, das suas artimanhas, tem outra visão", explicou. 

Lacerda ponderou que devido à repercussão nacional que o uso das algemas tomou, esse é um bom momento para a discussão sobre o tema e sua limitações, mas que o uso do instrumento não deve se pautar pela classe social dos detidos. 

"Se o STF esta disciplinando isso, e se vossas excelências também pretendem (hoje o senado aprovou uma matéria sobre o assunto) acho que é momento é importante. Agora devemos reconhecer que a algema não deve ser instrumento para humilhação de ninguém, rico ou pobre, e uso deve ser disciplinado", disse.

Leia mais sobre uso de algemas

    Leia tudo sobre: algemas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG