Alencar ressuscita 3o mandato de Lula; oposição reage

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O vice-presidente José Alencar ressuscitou a questão de um terceiro mandato para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao afirmar que os brasileiros desejam que ele fique mais tempo no poder. Em entrevista à rádio Bandeirantes, nesta terça-feira, Alencar destacou as características administrativas de Lula, e tocou em um novo mandato.

Reuters |

'Lula tem feito muito, falta muito para fazer. Sou democrata, Lula deseja fazer o seu sucessor, mas o que os brasileiros desejam é que Lula fique mais tempo no poder.

Raramente encontramos um cidadão como ele para conduzir o país', disse Alencar.

O vice-presidente afirmou que certas circunstâncias podem mudar o curso da história e citou os Estados Unidos como exemplo.

'Os Estados Unidos têm (mandato presidencial) de quatro anos mais quatro, mas nos anos 30, (Franklin) Roosevelt teve o terceiro mandato, porque os EUA precisavam que ele continuasse e queriam que ele continuasse', disse Alencar, citando o período de recuperação econômica dos EUA após a crise de 1929.

O atual limite de dois mandatos para o cargo de presidente nos Estados Unidos foi definido por emenda à Constituição justamente depois de Roosevelt ter sido eleito quatro vezes para o cargo mais alto do país. Ele, no entanto, não completou o quarto mandato, para o qual foi eleito em 1944, tendo falecido no ano seguinte.

As declarações do vice-presidente desencadearam condenações imediatas da oposição, que viu na frase um atentado à democracia e à Constituição.

'Acho lamentável que o vice-presidente da República de um país como o Brasil, que tem uma tradição democrática confirmada, faça uma defesa dessas', afirmou o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (SP).

'É deplorável, lamentável, não é um democrata que fala isso, é alguém que está a serviço de outros objetivos que não os da democracia. Não temos o menor respeito pelas declarações do vice-presidente', acrescentou o presidente tucano.

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), considerou a declaração de Alencar 'no mínimo infeliz'.

'Uma declaração como essa não condiz com o passado político e com o conceito de democrata que eu faço do vice José Alencar.

Você pode ter um presidente eleito e reeleito uma única vez e não adianta uma pessoa querer falar pela Constituição do Brasil. Até sendo essa pessoa o próprio vice-presidente.'

O ministro das Relações Institucionais, José Múcio, descartou a hipótese de um terceiro mandato e afirmou que Lula não alimenta essa pretensão.

'Conheço a vontade do presidente. Ele deseja terminar seu mandato. A Constituição brasileira diz que só tem direito a dois mandatos', disse Múcio a jornalistas.

'Evidentemente que todas as vezes que ele vai a uma inauguração, fazer uma visita, as pessoas falam isso e isso significa que ele tem dado certo e as pesquisas confirmam...

Mas isso é do entusiasmo do vice-presidente, que é natural, e por conta deste momento. Mas tenho absoluta certeza que o intuito do presidente é terminar o segundo mandato e se afastar', completou o ministro.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG