Alencar contraria Lula e admite palanque duplo em MG

O presidente da República em exercício, José Alencar, divergiu hoje em relação ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a formação de uma palanque duplo em Minas Gerais na campanha da pré-candidata petista ao Palácio do Planalto, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. De acordo Alencar, os partidos da base aliada ao governo podem disputar a eleição com duas candidaturas no Estado.

Agência Estado |

"Eu acho que podemos perfeitamente, se não houver um acordo, ter dois palanques de apoio à eventual candidatura da Dilma", afirmou Alencar, para quem a divisão da base aliada no Estado pode ocorrer sem prejuízo para a campanha da petista.

As declarações do presidente em exercício contrariam o esforço feito desde o final do ano passado por Lula para conduzir as negociações entre petistas e peemedebistas com o objetivo de reduzir os desgastes regionais. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo , Lula sustentou que a tese de pedir votos para dois candidatos a governador "confunde o eleitorado" e "pode atrapalhar a disputa presidencial". Na mesma entrevista, ele considerou "impossível", "incompreensível" e "desagradável" a pré-candidata do PT à Presidência "ir a dois palanques em um Estado, um de manhã e outro à noite".

Amparado em pesquisas divulgadas na última semana que o confirmam na liderança da disputa pelo governo mineiro, o ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB), defende a formação de um palanque único para fortalecer a candidatura de Dilma Rousseff no Estado. O diretório do PT, contudo, não se mostra disposto a abrir mão da candidatura própria e cogita dois nomes para a disputa: o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel e o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias.

Alencar não descartou a chance de concorrer à sucessão no Palácio da Liberdade, mas negou que seja candidato ao posto. "Estou em tratamento de saúde e desejo estar seguro para que possa exercer um mandato", disse o presidente em exercício, que desde 1997 se submete a tratamento contra um câncer no abdome. "A política é a arte do possível", teorizou.

Nas mais recentes pesquisas de intenção de voto, Alencar atinge um bom porcentual na disputa ao governo do Estado. "Fico honrado, mas não me coloco como candidato", garantiu. De acordo com o presidente em exercício, somente após a divulgação de resultados de exames médicos em março ele pode definir seu caminho. "Mas não necessariamente entrar em uma candidatura", abrandou.

Distrito Federal

Questionado sobre o escândalo de pagamento de propinas no governo do Distrito Federal (DF), conhecido como "Mensalão do DEM", Alencar evitou críticas. "Todas as vezes que acontece algum problema, em qualquer esfera de Poder, há um aborrecimento grande para os homens de bem, que desejam recuperar a credibilidade política", disse.

De acordo com o presidente em exercício, a imagem de que o Brasil tem como característica a impunidade deve ser combatida. "Não podemos transigir com a impunidade", afirmou.

Alencar participou hoje do lançamento da pedra fundamental do novo Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), responsável pela formação de oficiais da Força Aérea Brasileira, em Lagoa Santa, zona metropolitana de Belo Horizonte (MG). O empreendimento irá demandar investimento de R$ 216,4 milhões e deverá ser concluído até o segundo semestre de 2012.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG