Além de saudável, o lanche da criançada pode ser prático e gostoso

Além de saudável, o lanche da criançada pode ser prático e gostoso Por Giuliana Reginatto São Paulo, 04 (AE) - Leite com achocolatado pode, mas só duas vezes por semana. Bolo de chocolate também pode, mas só se for sem recheio.

Agência Estado |

Aprender a conciliar as preferências culinárias das crianças com as necessidades nutricionais da infância na hora de montar a lancheira escolar é uma tarefa de gente grande. "É difícil para a mãe unir praticidade com qualidade e nem sempre a criança aceita o que foi colocado na lancheira. Muitas vezes, o que é prático não é a escolha mais saudável, mas é o que as crianças preferem", explica a gerente de nutrição do Hospital do Coração (HCor), Rosana Perim.

Apostar na diversidade de cardápios para a merenda infantil, segundo Rosana, é a melhor forma de garantir alimentação balanceada. "O consumo de produtos variados, inclusive de itens com cores diferentes, faz com que a alimentação seja mais divertida e gostosa", acredita. "Além disso, é uma estratégia importante para se obter todos os nutrientes necessários. A criança com boa alimentação, contendo todos os nutrientes na quantidade adequada, brinca mais, aprende com mais facilidade, cresce e se desenvolve melhor", completa.

Rosana ressalta a importância do lanche balanceado, com opções que contemplem todos os grupos de alimentos. "A criança precisa de proteínas, carboidratos, vitaminas, sais minerais e até da gordura", explica. "Um bom jeito de garantir o equilíbrio é dividir a lancheira em três partes: uma porção de fruta ou de suco natural, mais uma fonte de carboidrato, que pode vir de pães ou de bolos e biscoitos sem recheio, e por último uma opção láctea, representada por queijos, iogurte e leite", detalha a nutricionista Sara da Silva Simas, sócia da Nutriescola, empresa que presta assessoria nutricional para 12 escolas de educação infantil da rede particular.

Sara recomenda que a família observe se a escola dispõe de condições adequadas para conservar o alimento antes de montar a lancheira. "Às vezes há a opção de deixar o lanche em uma geladeira. Mesmo assim, é sempre mais seguro ter uma lancheira térmica, sobretudo no verão, quando a contaminação dos alimentos é bem mais comum."

Para garantir um lanche saudável sem abrir mão da praticidade, Sara sugere que os pais escolham frutas pouco perecíveis. "Sucos naturais de uva ou de maracujá podem ficar de um dia para o outro dentro da geladeira. Já o de maçã eu não indico porque escurece, deve ser tomado fresco. O suco de laranja também não é a melhor opção porque precisa ser tomado imediatamente. Caso contrário, perde grande parte das vitaminas", explica.

A nutricionista diz que escolher a fonte de carboidratos é sempre a parte mais polêmica do lanche. "As crianças adoram bolacha recheada, mas só tem gordura saturada naquilo. Muitas dessas bolachas também são carregadas de sódio, o que estimula a hipertensão. Por outro lado, a bolacha é um produto que marca a infância, que tem um tamanho gostoso. Assim, uma boa opção é escolher tipos mais leves, como as de maisena, gergelim ou aveia com mel, além dos cookies integrais", indica.

Segundo Sara, controlar a quantidade dos alimentos é melhor do que introduzir itens do tipo light. "A criança deve aprender a comer o produto como ele é, na quantidade certa. É melhor comer o pão com duas passadas de faca de requeijão normal do que o pão mergulhado no requeijão light", diz. Doutora em saúde pública pela USP, a nutricionista Daniela Wenzel também pede atenção ao tamanho das porções. "Deve ser uma refeição adequada ao momento. Intervalos são curtos e as crianças estão mais preocupadas com a brincadeira do que com a comida. Por isso, o lanche deve ser rápido", ensina.

Katia Terumi, nutricionista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, lembra ainda que uma alimentação balanceada garante, além da energia e disposição, um bom rendimento escolar às crianças. "O carboidrato, por exemplo, é o combustível para o funcionamento cerebral, estimulando o raciocínio e a concentração. Já as proteínas favorecem o sistema imunológico, evitando que a criança fique gripada ou pegue uma virose, que é comum nas escolas. Quando a lancheira vai repleta de guloseimas, cheias de gorduras, a criança terá uma digestão lenta, o que provoca sono e, consequentemente, a falta de atenção à aula", atenta.

BOXE

Cinco lições para elaborar um lanche saudável

1 - Carboidratos : Evite a monotonia alternando as fontes de carboidrato entre itens salgados e doces. No caso dos salgados, evite fritos e folhados, privilegiando os assados. Para os pães, o melhor é optar pelo tipo integral - binasguinha e pãozinho francês também podem frequentar a lancheira, já que o ideal é que o lanche de hoje não se repita no dia seguinte. Crianças maiores aceitam bem as barrinhas de cereais. Entre os menores, uma fatia de bolo sem recheio, de laranja ou fubá, é uma opção aconselhável

2 - Bolachas: Biscoitos recheados e do tipo wafer, ricos em gorduras, são os vilões da boa alimentação e os queridinhos da criançada. Experimente oferecer variações mais saudáveis do produto, sem recheio: aveia com mel, gergelim, maisena, água e sal... E, mesmo assim, esteja atento à quantidade de bolachas, pois ela são muito calóricas: cinco unidades é o suficiente; nada de mandar um pacote inteiro na lancheira.

3 - Lácteos : Garantir o aporte de cálcio, abundante no queijo do lanchinho e no leite, é fundamental até os 18 anos - período em que os ossos estão em desenvolvimento. Queijos do tipo polenguinho, de fácil conservação, são indicados no pão. Requeijão também é permitido, mas com moderação. Segundo os especialistas, limitar a quantidade é melhor do que introduzir a versão light do produto. Leite com chocolate também tem cálcio, além de muito açúcar: duas vezes por semana é o limite.

4 - Sucos, chás e água de coco: Refrigerantes estão vetados. Optar pela água-de-coco é interessante porque ela ajuda a repor sais minerais perdidos no suor, durante as brincadeiras. Para os sucos, prefira os naturais - ou bata a polpa congelada com água. Se a única opção for o de caixinha, leia o rótulo e certifique-se de que ele contém o néctar da fruta (fuja dos que trazem a inscrição: ‘sabor artificial de ...’). Chás também valem.

5 - Frutas: Elas são itens essenciais na lancheira, pois têm grandes quantidades de vitaminas, minerais e fibras. Uma boa dica é deixar que a criança participe da escolha do tipo de fruta. Assim, ela terá uma refeição mais prazerosa. Lembre-se, contudo, de que algumas variedades são muito perecíveis e podem não resistir até o intervalo. Este é o caso da pera, por exemplo. Maçã, banana e uva estão entre as mais resistentes.

- Sugestões de cardápio do Hospital do Coração (HCor)

OPÇÃO 1:
2 bisnaguinhas com geleia de morango
1 caixinha de achocolatado
1 maçã

OPÇÃO 2:
1 fatia de bolo de chocolate
1 caixinha de chá
1 banana

OPÇÃO 3:
2 fatias de pão integral com queijo do tipo polenguinho
1 caixinha de suco de frutas
1 bananinha

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG