Alckmin, Serra e Kassab fazem feijoada da paz em SP

Era apenas uma feijoada de aniversário, mas o que se viu hoje entre 13 e 16 horas, em um restaurante da zona Sul de São Paulo, foi um inesperado ato de ecumenismo político. Para cumprimentar o aniversariante Floriano Pesaro (ex-secretário da prefeitura, que deixou o cargo para ser candidato a vereador pelo PSDB) ali se juntaram, conversaram baixinho, juntos e separados, o governador José Serra, o prefeito Gilberto Kassab, o ex-governador Geraldo Alckmin e auxiliares como Andrea Matarazzo, Arnaldo Madeira, o ex-ministro Paulo Renato e quase uma dúzia de subprefeitos da capital.

Agência Estado |

Em tom calmo, de bons amigos, Serra contou a Alckmin o episódio de seu desmaio no Bandeirantes. "Eu não via nada em volta, nem percebi que desmaiei." Ao que o médico anestesista Alckmin respondeu: "Foi pressão baixa, não?".

O terceiro mandato para Lula veio à tona em outro momento. "O que esse movimento vai fazer é unificar a oposição", avaliou Alckmin". E em seguida cobrou do presidente Lula os seguidos aumentos, nos últimos dias, do preço dos alimentos. "No debate de 2006, ele bateu a mão na mesa e me disse que jamais admitiria que o custo da comida aumentasse. Se necessário até importaria alimentos. E o que vemos é explodirem os preços do feijão, tomate, soja, trigo".

Numa rodinha com Kassab e Alckmin, Serra foi interrompido por uma pergunta de fora: "Governador, o sr. vai apoiar o Alckmin?" Serra virou o rosto e fez que não ouviu.

Já no final, o pagode aumentou o volume, a casa lotada aplaudiu e vaiou hinos dos times de futebol, mas isso era só o retrato do momento. Pois, ao definir de 0 a 10 o clima entre os dois grupos, um tucano respondeu na lata: "Zero."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG