Alckmin inicia campanha e ouve críticas a Kassab

SÃO PAULO - O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, Geraldo Alckmin, ouviu, no primeiro dia de campanha, críticas de um líder comunitário do Capão Redondo, no extremo da zona Sul, ao seu concorrente, o prefeito Gilberto Kassab (DEM). O presidente da Sociedade Assistencial do Capão Redondo, José Gregório de Jesus, convidou o tucano para visitar o córrego Ribeirão dos Brancos e disse, aos gritos, que nenhum prefeito tinha canalizado o curso de água poluído e ligado a rua em que fica à vizinha avenida Carlos Caldeira Filho.

Agência Estado |

"Geraldo, com certeza, vai resolver este problema", disse.

Alckmin, que chegou a tapar o nariz ao passar pelo córrego, não se manifestou na hora. Depois, diria que vai atender à reivindicação da população. Segundo o líder comunitário, Kassab nunca apareceu no local.

Em outro evento no fim da manhã, no Tatuapé, zona leste, Alckmin contou uma piada sobre um prefeito, mas fez questão de dizer que não era o de São Paulo.

"É de bem longe daqui", afirmou.

No discurso, disse que é possível "melhorar ainda mais" a educação, a saúde e o transporte, com cuidado para não atacar a administração do concorrente.

Ainda no Capão Redondo, o candidato protagonizou um momento engraçado da largada da campanha. Na Rua da Calma, erodida por causa do córrego, um Corsa preto estava tombado em um buraco e prestes a cair no riacho. O dono reclamou ao candidato e ele, depois de escorregar e quase cair no buraco, perguntou se queria ajuda para tirar o veículo. Os cabos eleitorais que o acompanhavam se entreolharam, aparentemente sem acreditar no que ouviam, mas um grupo menor resolveu tirar o carro do homem, aos aplausos. Alckmin ficou somente na "coordenação" dos trabalhos.

"O Geraldo resolve qualquer coisa", disse um dos militantes.

"Vai tirar São Paulo do buraco", comentou outro.

Veja também:

  • Sinopse de imprensa: Com 26%, Crivella lidera disputa pela Prefeitura do Rio
  • Brasil terá cerca de 400 mil candidatos nas eleições municipais, estima TSE
  • Alianças para campanhas municipais não seguem jogo político nacional
  • Limitada no Brasil, internet reinventa maneira de fazer campanhas no exterior

    Leia mais sobre: Eleições 2008

    • Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG