Desde 1985 permanecia apenas como promessa a construção das alças de acesso ligando a zona norte de São Paulo, no limite com a cidade de Guarulhos, à Rodovia Fernão Dias, na região da Vila Sabrina. A intenção de transformar a região em um pólo de cargas ficou pela metade - só um terminal para caminhões, inaugurado pelo prefeito Mário Covas, ficou pronto, no fim dos anos 80.

Mas na terça-feira a obra será finalmente entregue.

As cinco alças devem tirar, diariamente, cerca de 10 mil caminhões das ruas de Vila Sabrina, Parques Novo Mundo e Edu Chaves, Vila Medeiros e Jardim Brasil. Em São Paulo e Guarulhos, cerca de 600 mil pessoas serão beneficiadas.

Uma reclamação antiga dos moradores da região, os veículos pesados, que tinham de cortar o bairro na chegada da Fernão até o terminal ou na saída para a estrada, provocavam barulho, poluição e deixavam o asfalto das vias, algumas estritamente residenciais, em condição degradada.

Entulho

Por vários anos, esqueletos dos viadutos ficaram abandonados e cheios de entulho. Desde 2004, existia apenas uma ponte de 340 metros, construída pela Prefeitura, que servia como a única saída do terminal de carga.

Depois de uma licitação municipal, o custo da obra caiu de R$ 10,2 milhões (previsto pelo governo federal) para R$ 7,1 milhões. Com a economia, os trabalhos foram iniciados em abril de 2007, por meio de um convênio entre as Prefeituras de São Paulo e Guarulhos e o Ministério dos Transportes. Foi necessário fazer um aditivo de R$ 1,7 milhão para que a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (Cteep) pudesse construir galerias subterrâneas para a rede elétrica de 300 mil volts que passa pela região.

Duas das alças farão a ligação entre a Rodovia Fernão Dias e o terminal de cargas, na chegada; a ligação entre o terminal e a pista no sentido Belo Horizonte (saída). Outras duas ligarão a Fernão Dias a um viaduto que cruza a rodovia, possibilitando que o motorista siga em direção a Guarulhos. E a quinta fará parte da própria rodovia, conectando a pista no sentido Belo Horizonte a um segundo acesso à cidade de Guarulhos.

Menos acidentes

A obra apresenta ainda elementos inéditos na capital. Lateralmente, nas curvas, o asfalto apresenta elevação, para minimizar a instabilidade que normalmente os caminhões pesados apresentam nas curvas muito fechadas - o que diminui o risco de acidentes. O asfalto também tem composição diferenciada, mais aderente aos pneus dos caminhões. A região ainda ganhou revitalização ambiental, com o plantio de 2 mil árvores, incluindo ipês, sibipirunas, palmeiras e embiruçus.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.