AL: com sangue na roupa, suspeito é liberado por falta de perícia

Modelo foi detido como suspeito, mas por não haver médicos no IML e no IC de Maceió, ele foi liberado. Agora é procurado novamente

AE |

selo

A Polícia Civil de Alagoas está, desde a tarde do último domingo, realizando diligências para localizar e prender o modelo Frederico Safadi, apontado como principal suspeito de assassinar o designer de interiores Flávius Durval Lessa Braga, de 47 anos. Flávius foi encontrado morto, dentro de seu carro, com um profundo corte no pescoço, no último sábado, no bairro Benedito Bentes, na periferia de Maceió. Horas depois, Fred Safadi foi ouvido na Central de Polícia de Maceió. Naquele momento, ele já era apontado como suspeito, por ter sido a última pessoa a estar com Flávius, antes do designer aparecer morto. 

Em depoimento à polícia, Fred confessou realmente que esteve com Flávius na noite de sexta-feira, e afirmou ter consumido entorpecente e recebido R$ 180,00 da vítima. A Polícia Civil divulgou que Flávius apresentava sinais de quem havia travado luta corporal, assim como o suspeito, mas na tarde de sábado, não havia médico no Instituto Médico Legal Estácio de Lima (IML), para realizar o exame de corpo de delito no modelo. 

A Polícia Civil alagoana informou ainda que as roupas de Fred Safadi estavam sujas de sangue, mas, apesar de requisitado, o Instituto de Criminalística (IC), órgão ligado à Secretaria Estadual de Defesa Social, se negou a fazer o exame na Central de Polícia, que fica no bairro do Prado. Por causa da ausência de provas técnicas, que deixaram de ser realizadas pelo IML e pelo IC, o principal suspeito do crime foi liberado. 

A delegada de plantão na Central de Polícia, Maria Angelita, disse que tanto o IML como o IC alegaram somente poder atender os pedidos dela por ofício e em dias úteis, ficando desta forma a autoridade policial plantonista impossibilitada de autuar em flagrante o referido suspeito. Por isso, a delegada disse que não teve outra alternativa senão liberar o modelo.

No domingo, a delegada Ana Luíza Nogueira solicitou a prisão temporária do modelo, e o pedido foi aceito pela Justiça, mas Fred Safadi já havia fugido. A Polícia Civil revela ainda que, somente na tarde de domingo, após uma determinação do secretário de Estado da Defesa Social, o IC realizou a perícia nas roupas do modelo suspeito e confirmou a presença de sangue. Agora, o exame de DNA definirá a quem pertence o sangue encontrado.

    Leia tudo sobre: maceiósuspeitoimlic

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG