AGENDA POLÍTICA-Ministros e economistas discutem desenvolvimento

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva abre, na próxima semana, seminário promovido pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social em que ministros e economistas brasileiros e estrangeiros discutirão o desenvolvimento do Brasil diante da crise econômica internacional. As palestras darão conta dos desafios brasileiros frente à crise, a regulação do sistema financeiro e o atual papel das instituições financeiras com a nova realidade econômica.

Reuters |

Devem atrair a atenção as palestras dos economistas Maria da Conceição Tavares, professora emérita da Universidade Federal do Rio de Janeiro e ex-deputada federal pelo PT; Ignacy Sachs, polonês naturalizado francês, um dos criadores do conceito de desenvolvimento sustentável; e de James Galbraith, norte-americano que dirige o projeto sobre desigualdades da Universidade do Texas.

Convidados também o vice-presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Otaviano Canuto; o diretor-executivo no Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista Jr; e o diretor-executivo do Banco Mundial (Bird), Rogério Studart.

Os ministros escalados são Dilma Rousseff (Casa Civil), Paulo Bernardo (Planejamento), Guido Mantega (Fazenda), além do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Na semana, os presidentes da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP), participarão de seminário sobre o projeto da reforma tributária organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Comissão Especial de Reforma Tributária da Câmara dos Deputados.

O evento também contará com a participação de Mantega, especialistas, empresários e deputados ligados à reforma.

Depois do feriado do Carnaval, em que os parlamentares emendaram toda a semana, o Congresso volta aos trabalhos. Os deputados devem votar medidas provisórias que trancam a pauta, sendo que a primeira da lista a MP 449 que altera a legislação tributária federal relativa ao parcelamento de dívidas.

Veja, a seguir, os principais eventos políticos da próxima semana.

SEGUNDA-FEIRA

-- O presidente Lula estará em São Paulo para dois compromissos: na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), recebe o primeiro-ministro da Holanda, Jan Peter Balkenende, e em Campinas inaugura sistema de tratamento de esgoto.

-- O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, deve participar no Rio de Janeiro do 29o Congresso Nacional de Cirurgia.

-- O ministro da Educação, Fernando Haddad, participa em Luziânia (GO) da abertura de seminário, que terá como tema central o acesso e a permanência na universidade pública.

-- O Ministério Público do Trabalho faz audiência de mediação entre a Embraer e representantes dos empregados em resposta à representação feita pelo sindicato para pedir que as demissões da Embraer sejam desfeitas.

TERÇA-FEIRA

-- Em Brasília, o presidente Lula faz reunião de coordenação política. Mais tarde participa da cerimônia de entrega à Organização Mundial da Saúde do relatório sobre a campanha de vacinação contra a rubéola no ano passado.

-- A CNI e a Comissão Especial de Reforma Tributária da Câmara dos Deputados realizam seminário internacional sobre o projeto da reforma tributária. Participam da abertura do evento o ministro da Fazenda, Guido Mantega; o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto; o presidente do Senado, José Sarney; e o presidente da Câmara, Michel Temer.

QUARTA-FEIRA

-- O presidente Lula participa da primeira reunião do comitê ministerial para elaboração da política nacional de inteligência e reavaliação do sistema brasileiro de inteligência.

-- O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e seu colega da Holanda, Camiel Eurlings, participarão do Seminário Internacional Brasil/Holanda sobre Hidrovias, em Brasília, que discutirá o transporte hidroviário.

QUINTA-FEIRA

-- Em Brasília, o presidente Lula abre o Seminário Internacional sobre Desenvolvimento com debates e palestras de ministros, economistas e presidentes de empresas sobre o desenvolvimento do Brasil em meio à crise econômica.

-- O Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (SP) realiza audiência de conciliação entre o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP) e a Embraer para analisar as 4.200 demissões realizadas pela empresa.

(Reportagem de Ana Paula Paiva)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG