Avisado de que a comissão encarregada de investigar os atos secretos no Senado vai pedir a sua demissão a bem do serviço público, o ex-diretor-geral Agaciel Maia já negocia sua salvação. Pelo Estatuto do Servidor Público, cabe aos presidentes de cada um dos três Poderes - no caso do Senado, José Sarney (PMDB-AP), padrinho de Agaciel - dar a palavra final sobre o futuro de servidores envolvidos em crimes contra a administração pública.

A estratégia de defesa é usar a recente safra de validação dos atos secretos como argumento para se livrar da punição, prevista na lei que trata da improbidade administrativa no serviço público. Esses boletins sigilosos foram usados, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo , para nomear parentes, amigos e criar privilégios para senadores e funcionários. Mesmo que a comissão enquadre Agaciel e o ex-diretor de Recursos Humanos João Carlos Zoghbi por improbidade administrativa, Sarney pode argumentar que a validação dos atos sanou as irregularidades.

A defesa se baseia na tese de que não houve irregularidades no conteúdo dos despachos reservados, quase todos editados na gestão Agaciel. E toma como base o relatório de investigação do caso, assinado pelo atual diretor-geral, Haroldo Tajra, e pelo advogado Luiz Augusto Geaquino dos Santos. Ambos isentaram os senadores de responsabilidade pelos atos secretos. Segundo eles, o conteúdo dos atos era legal - embora secretos, tratavam da rotina administrativa.

Agaciel e Zoghbi são responsabilizados, de forma branda, por se "esquecerem" de publicar os atos e não por terem violado regras da burocracia oficial. A comissão encarregada do processo administrativo aberto contra os ex-diretores concluirá suas investigações no dia 7 de novembro. Procurado na sala que ocupa hoje no Instituto Legislativo Brasileiro, Agaciel não foi localizado, mas falou por telefone para secretária que não iria atender os repórteres. Zoghbi não respondeu ao recado deixado no seu celular. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.