O Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, reabriu para pousos e decolagens por volta das 9h10 desta terça-feira. O aeroporto, que opera agora com auxílio de instrumentos, quando o piloto necessita de equipamentos especiais para alinhar a aeronave com a pista, estava fechado desde a noite de segunda-feira por causa da forte chuva que atinge o Estado.

  • Acompanhe o trânsito no Rio de Janeiro e em São Paulo
  • Veja galeria de fotos da chuva no Rio de Janeiro
  • Você tem informações sobre a chuva? Envie ao Minha Notícia
  • Em uma noite, chove no Rio o equivalente a quase um mês

    Futura Press
    Avenida Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, alagada

    Rua Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, alagada

  • Segundo o último boletim da Infraero, divulgado às 14h, 59,8% dos voos previstos para hoje foram cancelados no Santos Dumont e 30,5%, partiram com atraso. Neste momento, 15,9% estão atrasados. Em Congonhas, o passageiro que tenta embarcar para o Rio também enfrenta problemas. Alguns tentavam embarcar desde a noite de segunda-feira . Congonhas teve 41,9% dos voos atrasados e 22,6% foram cancelados. No momento, apenas 6,5% dos voos estão atrasados.

    Aulas suspensas

    Também por causa da forte chuva as aulas nas escolas municipais e estaduais foram suspensas no Rio de Janeiro. De acordo com a secretaria Estadual de Educação, são cerca de 800 unidades com as portas fechadas e 780 mil alunos afetados. No município são 1.063 escolas e cerca de 300 creches sem aulas, o que atinge mais de 700 mil alunos.

    O Tribunal de Justiça do Estado também cancelou todas as audiências marcadas para os fóruns da cidade, assim como a Câmara Municipal e o Ministério Público.

    Trens

    As chuvas também provocaram a alteração na circulação da rede ferroviária por medida de segurança e o fechamento de algumas estações. De acordo com a SuperVia Concessionária de Transporte Ferroviário, as estações Central do Brasil, Praça da Bandeira, São Cristóvão, Maracanã e Mangueira estão fechadas temporariamente.

    Além disso, todas as viagens estão com atrasos médios de 15 minutos. Segundo a empresa, as passageiros estão sendo informados das alterações pelo sistema de som das estações. A circulação foi alterada nos ramais Deodoro, entre as estações Deodoro e São Francisco Xavier; Santa Cruz, entre as estações Santa Cruz e São Francisco Xavier; Japeri, entre Japeri e São Francisco Xavier; Belford Roxo, entre Belford Roxo e Triagem; e o Ramal Saracuruna teve a circulação suspensa.

    Metrô

    A concessionária que a administra o metrô do Rio interrompeu a venda de bilhetes em todas as estações nesta manhã devido a uma falha num trem que passava pela estação Glória. Com problema no sistema de ar comprimido, às 9h20, o trem foi substituído e os passageiros direcionados para outro veículo. Para evitar o acúmulo de pessoas nas estações, a concessionária  interrompeu a venda de bilhetes em todas as estações da Linha 1 por  5 minutos, informou a empresa.  A operação de substituição dos trens durou 24 minutos, segundo a concessionária.

    O tráfego de trens nas linhas 1 e 2 não chegou a ser interrompido. A situação foi normalizada e os intervalos, com intervalos de 6 minutos e 50 segundos, segundo a empresa. Na segunda feira, no começo do temporal que deixou as vias da cidade intransitáveis, o metrô registrou movimento recorde. Mais de 632 mil passageiros foram transportados. As estações do Centro e São Cristóvão foram as mais procuradas.

    Ponte Rio-Niterói reaberta

    A Ponte Rio-Niterói reabriu, por volta das 9h, mas o motorista enfrenta congestionamento por causa de alguns pontos de alagamentos. Outras rodovias também enfrentam problema .

    A Avenida Niemeyer - que liga a Barra da Tijuca, na zona oeste, ao Leblon, na zona sul - está fechada por causa de um deslizamento. A Praça da Bandeira, na zona norte, e a Rua Jardim Botânico, na zona sul, permanecem debaixo d'água. "Nós não sabemos se chegamos ao pior momento. Enquanto a chuva persistir, dificilmente a situação de alagamentos vai mudar", disse Paes.

    Futura Press
    Fechamento do Túnel Rebouças provoca congestionamento

    Fechamento do Túnel Rebouças provoca congestionamento

    Energia

    A Light registra interrupções em trechos dos seguintes bairros: Tijuca, Botafogo, Ilha do Governador, Barra da Tijuca, Laranjeiras, São Conrado, Santa Teresa, Rio Comprido e na estrada Grajaú-Jacarepaguá.

    As equipes da Light estão mobilizadas para atender as demandas causadas pelas fortes chuvas em toda a cidade do Rio e restabelecer o fornecimento de energia. Porém, devido aos alagamentos, os técnicos da empresa encontram dificuldades para acessar alguns locais que necessitam de reparos.

    Na região metropolitana do Rio, segundo a Ampla, Niterói e São Gonçalo são as áreas mais atingidas pela falta de energia. Há cerca de 30 mil pontos sem luz. Os bairros mais atingidos em Niterói são Ingá, Icaraí, São Francisco, Região Oceânica e parte do Centro.

    O atendimento de emergência a hospitais segue sem nenhuma alteração, mas não há previsão para o restabelecimento da energia nos outros postos. Segundo a assessoria da Light, a recomendação é que as pessoas evitem usar o elevador, para evitar que fiquem presas durante eventuais cortes de energia, e que deem preferência ao uso das escadas. O telefone para comunicar ocorrências de interrupções é o Disque-Light Emergência 0800-0210-196.

    Ficar em casa

    O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), recomenda que a população não saia de casa para que as equipes de resgate e conservação possam se deslocar pelo município. As chuvas que atingem o Rio já mataram 17 pessoas no Estado.

    Em nota oficial, ele pediu ainda que a população evite grandes deslocamentos principalmente em direção ao centro. "Todos os pontos da cidade estão alagados. Não adianta tentar chegar ao centro da cidade. Nosso apelo é que as pessoas não saiam de casa e se preservem até que possamos resolver a situação", afirmou.. Segundo o prefeito, a maior preocupação das autoridades é com moradores de áreas de risco.

    A Defesa Civil municipal entrou em estado de atenção às 17h de segunda-feira e manteve as equipes nas ruas. "Temos cerca de 2 mil domicílios em situação de risco e essa é uma situação de risco até que a chuva melhore. O que mais nos preocupa é a perda de vidas humanas", afirmou o prefeito.

    Leia também:

  • Em uma noite, chove no Rio o equivalente a quase um mês
  • Chuva cancela parte da agenda de Lula no Rio de Janeiro
  • Previsão do tempo é de chuva no Rio de Janeiro até quarta-feira
  • Marinha e Aeronáutica estão à disposição do Rio, afirma Lula

    Leia mais sobre: chuva

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.