Aécio: Lula se beneficiou da estabilidade criada por FHC

Um dia após pregar que o discurso tucano difere da estratégia de campanha petista de comparar as gestões do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), afirmou que a estabilidade ocorrida no governo Lula é resultado de uma série de ações tomadas pelo ex-presidente FHC. Não haveria o governo do presidente Lula se não tivesse havido o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, sustentou.

Agência Estado |

"Não teríamos avançado se não houvesse uma estabilidade, se não existisse uma Lei de Responsabilidade Fiscal, se não tivéssemos iniciado programas de transferência de renda e uma política macroeconômica consolidada", defendeu Aécio.

O governador participou nesta sexta-feira de seu último compromisso como governador, na inauguração de um centro esportivo em São Sebastião do Paraíso (MG). O tucano, que transfere o cargo na próxima quarta-feira para o seu vice, Antônio Anastasia (PSDB), afirmou que não acredita que FHC deixe de fazer um discurso durante o evento que lançará a candidatura do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), à sucessão no Palácio do Planalto, em evento em Brasília. "Eu não acredito que isso vá acontecer. É preciso que todos façam a ele justiça, a começar dos seus companheiros de partido", defendeu Aécio.

O governador, que deve se candidatar este ano ao Senado Federal, confirmou sua presença no lançamento da candidatura de Serra, reafirmou que apoiará o governador paulista, "principalmente a partir de Minas Gerais", e assegurou que dará suporte necessário ao tucano em visitas fora do Estado. "Se ele achar que eu possa ser útil, estarei à disposição", afirmou.

Professores

Assim como Serra em São Paulo, o mineiro enfrentou no evento de sexta-feira protestos de professores que reivindicavam melhores salários. Aécio considerou legítima a manifestação, mas lembrou que, quando assumiu o governo - há pouco mais de sete anos - não havia dinheiro para o pagamento do 13.º salário e os funcionários públicos recebiam as remunerações mensais apenas no último dia útil de trabalho.

"Hoje pagamos o décimo terceiro adiantado e o servidor recebe o salário no quinto dia útil", afirmou. Aécio prometeu ainda enviar um projeto de aumento salarial à Assembleia Legislativa, mas não informou o porcentual do reajuste.

    Leia tudo sobre: eleicoeseleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG