O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse hoje que a nova proposta de emenda constitucional (PEC) que prevê o fim da reeleição e a volta do mandato presidencial de cinco anos está cercada de suspeitas. Aécio foi questionado sobre a intenção do deputado Devanir Ribeiro (PT-SP), que pretende apresentar a PEC.

Por trás da proposta estaria a possibilidade de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disputar um terceiro mandato. O petista é autor de uma outra proposta que permite ao presidente convocar plebiscitos sobre vários temas, o que despertou o debate sobre a possibilidade de um terceiro mandato.

Defensor do fim da reeleição e da adoção do mandato de cinco anos, o governador mineiro enxergou no movimento uma manobra para permitir que Lula possa concorrer na próxima eleição presidencial, com base no argumento de que uma nova regra foi implantada. "Não participarei dessas aspirações. Eu tenho uma tese a favor dos cinco anos de mandato e acho que (se) ela vem, eu diria assim, cercada de suspeitas, ela já não é uma boa tese. E eu tenho uma posição muito clara de respeito à Constituição", disse Aécio, que pode disputar com o governador paulista José Serra a indicação como próximo presidenciável tucano.

O governador de Minas alega que o momento não propício para a discussão, apontando contaminação pelo ambiente pré-eleitoral. Reservadamente, Aécio diz que o fim da reeleição deveria integrar a reforma política. Mas afirma que não acredita na disposição do presidente de disputar um terceiro mandato, o que na sua opinião seria "um tiro no pé".

Hoje, diante das suspeitas, ele moderou o discurso em favor do fim do instituto da reeleição. "Se no futuro, fora do ambiente pré-eleitoral, nós podemos discutir com serenidade se o sistema com reeleição é melhor ou sem reeleição for melhor, aí é outra discussão. Agora, ela já vem contaminada por todas essas suspeitas, portanto, não acredito que seja um bom momento para esta discussão".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.