O governador Aécio Neves (PSDB) optou por fugir dos holofotes no dia da primeira visita do ano a Minas Gerais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. O mineiro avisou ao presidente Lula que não participaria da inauguração de uma barragem no norte do Estado, nesta terça-feira pela manhã, devido a compromissos agendados.

Aécio passou a manhã no Palácio das Mangabeiras, sua residência oficial, em "despachos internos". No Palácio da Liberdade, à tarde, a agenda também foi de gabinete, sem atos públicos que o obrigasse a encontrar jornalistas.

AE
Dilma ao lado de Lula em Minas

Dilma ao lado de Lula em Minas

Aparentemente, Aécio preferiu não alimentar especulações na imprensa sobre suas diferenças com o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e as dúvidas que persistem entre os tucanos sobre como será seu envolvimento na campanha presidencial em Minas.

Embora muitos aliados de Serra ainda trabalhem com a possibilidade de Aécio mudar de ideia, aceitando o lugar de vice numa chapa puro-sangue para disputar a Presidência da República, em Minas, políticos e analistas consideram nulas as chances de Aécio aceitar a proposta.

Visibilidade

Segundo o analista político Rudá Ricci, disputar as eleições como vice de Serra é um risco político desnecessário para Aécio, que tem praticamente garantida a eleição como senador por Minas Gerais. Ricci é um dos acreditam que Aécio já havia desistido há tempos da corrida presidencial, ciente de que Serra não cederia espaço para outra candidatura. Mas adiou o anúncio enquanto foi útil para garantir sua visibilidade na mídia.

Na segunda-feira, no Rio de Janeiro, Aécio disse que "só a morte é irreversível", dando a entender que existe, ainda que pequena, uma possibilidade de mudar de ideia. Para os mineiros, a fala não passa de jogo de cena.

Leia mais sobre: Aécio Neves  - Dilma Rousseff

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.